Há    visitantes  além dos   membros online no site neste momento

Siga O Direito no Facebook



Adicionar RSS




21/09/2017 - 14:28:41

CAPA
ARTIGOS
CONCURSOS & SELEÇÕES
DEBATES
DECISÕES & NOTÍCIAS
DICIONÁRIOS
EVENTOS & CURSOS
LEGISLAÇÃO
LIVROS: AVALIAÇÕES
OPINIÕES
PROVAS
SITES
TESES & PESQUISAS
VISITAS
 

 ARTIGOS

   Adicionar RSS de Artigos
Publique seu Artigo
clicando aqui
 
Publicidade  Anuncie aqui

Gostou deste site? Por que não ajudar a mantê-lo?
MATÉRIAS
Arbitragem
Atualidades
  - Economia
  - Governo
  - Política
Direito Administrativo
Direito Agrário
Direito Ambiental
Direito Civil
  - Direito Autoral
  - Direito das Coisas
  - Direito das Obrigações
  - Direito das Sucessões
  - Direito de Família
  - Direito do Consumidor
  - Direito Empresarial
  - Direito Falimentar
  - Direitos Reais
Direito Comercial
Direito Constitucional
Direito de Trânsito
Direito Desportivo
Direito do Trabalho
Direito e Educação
Direito e Religião
Direito e Saúde
Direito e Tecnologia
Direito Econômico e Financeiro
Direito Eleitoral
Direito Internacional
Direito Militar
Direito Penal
  - Execuções Penais
Direito Previdenciário
Direito Processual
  - Direito Processual Civil
  - Direito Processual Constitucional
  - Direito Processual do Trabalho
  - Direito Processual Penal
Direito Tributário
Direitos Humanos
Filosofia
Língua Portuguesa
Medicina Legal
Ministério Público
Poder Executivo
Poder Judiciário
Poder Legislativo
Teoria Geral do Direito
  - Direito Romano
  - História do Direito
  - Sociologia Jurídica
Direito Civil
LICC: derrogação ?


Publicado desde 17/01/2006
Aristides  Medeiros 

        Dispôs o § 1° do art. 2° do Decreto-lei n° 4.657, de 4/9/42 (LICC) que “A lei posterior revoga a anterior QUANDO EXPRESSAMENTE O DECLARE, quando seja com ela incompatível ou quando regule inteiramente a matéria de que tratava a lei anterior”.    Como se vê, além da revogação por declaração expressa (primeira parte do dispositivo supra transcrito), foram então admitidas algumas hipóteses em que também poderia haver revogação, mas aí sem que houvesse expressa declaração (segunda e terceira partes), casos estes que constituiriam exceções ao previsto na parte inicial, e que se justificariam quando viesse a ocorrer conflito entre normas existentes e disposições supervenientes.    Assim é que, por inúmeras vezes, editaram-se leis cujo conteúdo de alguma (ou de algumas) de suas disposições contrariou frontalmente preceitos de leis então vigorantes, o que, ipso facto - e ex vi do previsto na segunda parte do § 1° do art. 2° do referido Decreto-lei n° 4.657, de 4/9/42 (impropriamente chamado de Lei de Introdução ao Código Civil) - terá inexoravelmente implicado na correlata perda de eficácia de das preexistentes, mas isso tendo ocorrido tacitamente, ou seja, sem que o legislador haja expressamente declarado a revogação, o que evidentemente se deu face à superveniente incompatibilidade (revogação tácita).    Para citar apenas um exemplo, tem-se que, no inc. VIII do art. 6° do Código de Processo Penal ( Dec. Lei n° 3.689, de 3/10/41), foi consignado que TODOS os indiciados em inquérito policial, sem qualquer distinção, haveriam de ser identificados criminalmente, pelo processo dactiloscópico.    Acontece que, posteriormente, a Lei n° 10.054, de 7/12/2000, veio a alterar a situação, já que, entre outras coisas, abriu uma exceção àquela norma, ou seja, estatuiu que referida identificação dactiloscópica não deveria ocorrer há hipótese de o indiciado já haver sido identificado civilmente, com isso deixando então de ser a regra geral aplicada à generalidade.    Vê-se, aí, que houve uma incompatibilidade entre os dois dispositivos, o que ensejaria a que o legislador pudesse muito bem ter declarado revogada a do aludido inciso do CPP, o que, todavia, não fez, eis que ocorreu situação prevista na segunda parte do § 1° do art. 2º da LICC.

       Em muitos outros casos, regras de lei nova se chocaram com tantas outras (de leis então vigorantes), sem que tivesse havido expressa menção a revogação, o que in genere dificultou sobremaneira a tarefa do intérprete em perscrutar entre uma enorme quantidade de leis esparsas, quais as normas tornadas incompatíveis, o que não haveria de acontecer, se o legislador tivesse logo declarado os dispositivos revogados. Certamente tentando resolver a questão da dificuldade na apuração dos preceitos que, por incompatibilidade.deveriam ser havidos como revogados, - talvez com tal intenção, dizia, - o legislador fez incluir no texto da Lei Complementar n° 95, de 26/2/98 (que “Dispõe sobre a elaboração, a redação, a alteração e a consolidação das leis . . .”) um artigo com a seguinte redação: “Art. 9° - Quando necessária a cláusula de revogação, esta deverá indicar expressamente as leis ou disposições legais revogadas”, dispositivo esse que veio a ser posteriormente alterado (pelo art. 1° da Lei Complementar n° 107, de 26/04/01) para vigorar com o seguinte teor: “Art. 9° - A cláusula de revogação deverá enumerar expressamente as leis ou disposições legais revogadas”, entendendo-se, diante dos termos daquela redação, que, quando disposições legais devam perder a eficácia (por superveniente incompatibilidade), tal não será simplesmente de se presumir, mas sim que haverá de ser necessariamente declarado, ou seja, obrigatória será a expressa indicação de TODAS as que passarão a não mais viger, no mesmo passo – e como corolário – abolido o clássico “Revogam-se as disposições em contrário”. E terá então havido um verdadeiro despautério. Com isso, há de ser forçosamente compreendido que, se na lei nova não vier expressamente consignada a ocorrência de revogação de dispositivos então vigentes, não serão os mesmos considerados revogados, ainda que aconteça incompatibilidade. E isso será um enorme absurdo !!!

       Exemplificando: no art. 61 da Lei n° 9.099, de 26/9/95, está dito, entre outras coisas, que “Consideram-se infrações penais de menor potencial ofensivo. . as contravenções penais e os crimes a que a lei comine pena máxima não superior a um ano.”. Assim, se lei posterior alterar o critério para a conceituação de infrações de menor potencial ofensivo, e se não estatuir expressamente a correlata revogação, resultará que, de acordo com os citados ditames da apontada Lei Complementar, o texto anterior continuará vigendo, e isso em enorme disparate, que só o Poder Judiciário haverá de solucionar, certamente aplicando a segunda parte do § 1° do art. 2° da apelidada “Lei de Introdução ao Código Civil”, na verdade uma norma de super-direito, cuja localização melhor seria na própria Constituição, - o que, por sinal, já ocorre com o previsto no art. 6°, caput. da LICC, que se agasalha no inc. XXXVI do art. 5°, caput, da Carta Magna. Para tentar resolver a questão, necessário se faz aperfeiçoar a redação do art. 9° da LC n° 95, porquanto, como está, é de ser compreendido que agora só será possível revogação se a respectiva norma vier a ser expressamente enunciada, entendendo-se, portanto, que a revogação terá ficado circunscrita à hipótese contida no início do § 1° do art. 2° da chamada Lei de Introdução ao Código Civil, daí então não mais subsistindo as outras duas alternativas.

       

Este conteúdo foi redigido e finalizado em 17/01/2006, segundo o seu autor e responsável.
Representa, única e exclusivamente, a opinião particular do próprio autor. Ele é o único responsável pelas informações acima dispostas e publicadas, análises e críticas assumidas, informações pesquisadas, incluídas e citações realizadas.


Aristides Porto de  Medeiros 
Membro desde fevereiro de 2002
Formado em Direito *
* segundo o próprio membro em 18 de fevereiro de 2002


Leia mais artigos do mesmo autor(a): Aristides Medeiros
» A PRF não é Polícia -19/05/2014 17:19:11
» Sobre o chamado "princípio da insignificância" -19/12/2013 20:56:55
» Médicos: Receitas com caligrafia ilegível -02/09/2013 14:39:05
» Breves considerações sobre o Direito de Recusa a fazer prova contra si mesmo -16/08/2013 06:02:38
» Sobre o chamado Princípio da Insignificância -17/05/2009 08:45:11
» Algemas ainda não podem ser usadas -25/05/2006 10:19:51
» Sobre o chamado princípio da insignificância -28/03/2006 06:55:43
» Prisão na fase do inquérito policial e garantia constitucional do contraditório -20/01/2006 10:28:28
» O chamado princípio da insignificância -18/01/2006 07:14:05
Leia mais artigos sobre a mesma matéria: Direito Civil
» Direito De Família E Alienação Parental -22/03/2012 18:00:35
» Extinção, Suspensão e Perda do Poder Familiar -12/06/2010
» Denúncia Injusta E Responsabilização Do Estado -26/10/2008 11:40:33
» Anotações da Relação da Usucapião com a Função Social da Propriedade -19/10/2007 19:35:45
» Os Direitos do Nascituro à Luz do Artigo 2º da Lei nº 10.406/2002 (Novo Código Civil) -21/06/2007 16:05:52
» Único imóvel do casal é impenhorável -13/06/2007 17:43:41
» Influxos da Constitucionalização do Direito Civil sobre a Responsabilidade Civil: Perspectivas futuras -05/03/2007 21:20:18
» Influxos da Constitucionalização do Direito Civil sobre a Responsabilidade Civil: Perspectivas futuristas -13/02/2007 23:29:46
» O Valor Indenizatório do Dano Moral face ao fim social e a aplicabilidade da capacidade contributiva -07/12/2006 15:13:57
487 visitantes leram este conteúdo até o momento


    Nenhum comentário a respeito, até o momento.






Deixe sua opinião:
Por favor, desligue o CAPS-LOCK.

PESQUISA
DIGITE A PALAVRA:


ESCOLHA EM QUE CAMPO PESQUISAR:

Todas as palavras
Expressão exata

Publicidade  Anuncie aqui

ARTIGOS 
ATUALIDADES
Breves apontamentos sobre a Homofobia
Camila Andrade
DIREITO CONSTITUCIONAL
A PRF não é Polícia
Aristides Medeiros
DIREITO PENAL
Sobre o chamado "princípio da insignificância"
Aristides Medeiros
DIREITO E SAÚDE
Médicos: Receitas com caligrafia ilegível
Aristides Medeiros
DIREITO CONSTITUCIONAL
Breves considerações sobre o Direito de Recusa a fazer prova contra si mesmo
Aristides Medeiros
DIREITO TRIBUTÁRIO
Responsabilidade Tributária Do Sócio De Sociedade Empresária Limitada
Jéssica Martini
DIREITO CIVIL
Direito De Família E Alienação Parental
Gisele Leite
DIREITO PROCESSUAL PENAL
Execução da Reparação Civil fundada em sentença condenatória pelo próprio Juízo Criminal
Vinicius Conrado
FILOSOFIA
Natureza Humana, Livre-arbítrio E Mundo Contemporâneo
Gisele Leite
DIREITO PREVIDENCIÁRIO
Mudanças na Aposentadoria. Projeto de Lei 3299/2008.
Leandro De Almeida
Adicionar RSS de Artigos
 
Site pessoal de:  MATEUS MATOS
Editoria:  MATEUS MATOS
Sistema desenvolvido por:   MATEUS MATOS

Parceria? Anunciar? Política de Privacidade Copyright 1996 - 2017 O Direito © Todos os direitos reservados a Mateus Matos. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Exceto o conteúdo publicado pelos Membros, já que estes têm responsabilidade pelas suas publicações bem como autoridade para permitir ou não a sua publicação

Ano 19 - De junho/2015     13.0.02 12/04/2012