Adicionar RSS




Há    visitantes  além dos   membros online no site neste momento booked.net booked.net booked.net


   Adicionar RSS de Artigos

Artigos

Publique seu Artigo
clicando aqui
 
FILTROS
Direito Constitucional
Habeas Vita Ou Habeas Salus


Publicado desde 07/12/2008
Evandro  Falcão 

        O direito à vida, seja analisado de forma direta e em uma concepção individual do ser humano, com previsão no art. 5º, caput, da CF/88, ou examinado de forma indireta, decorrente de ser preservada a saúde e em uma compreensão social, abrangendo direito de todo cidadão, com previsão nos arts. 6º e 196 da Carta Magna, apresenta-se como direito fundamental. Antes de ingressar na necessidade de existência de algum mecanismo específico de proteção de tais direitos, devem ser registrados alguns esclarecimentos sobre o direito à vida e à saúde como direitos fundamentais.

       Com base em obra de Ingo Wolfgang Sarlet¹ , tem-se que os direitos fundamentais de primeira dimensão apresentam-se como resultado do pensamento liberal-burguês do século XVIII, por isso de cunho mais negativo, configurando-se como direitos de resistência ou oposição contra o Estado. Dentre eles, estão compreendidos o direito à vida, à liberdade, à propriedade e à igualdade perante a lei (igualdade formal). Por isso, seriam limitações impostas ao Estado, no sentido de proibir que tire a vida ou a liberdade do indivíduo.

       No que pertine a segunda dimensão dos direitos fundamentais, resultaram da Revolução Industrial, iniciada na segunda metade do século XVIII e prosseguindo por todo o século XIX, e por conseqüência, dos graves problemas sociais e econômicos que dela decorreram, além da influência das doutrinas socialistas, como as de cunho Marxista. Passou-se a exigir do Estado, além de uma conduta negativa, na abstenção de fazer certos atos contra o indivíduo, também de ter uma atuação positiva, com o fim da realização da justiça social. Com efeito, compreende direitos de caráter social, como o direito à assistência social, saúde, educação, trabalho, etc. Nessa situação, já se impõe ao estado prestar amparo ao indivíduo, mantidos, como já referido, os deveres anteriores. Portanto, doutrinariamente, há distinção entre o direito à vida e à saúde, sendo o primeiro a imposição de uma conduta negativa do Estado perante o indivíduo e o segundo a obrigação de uma atuação positiva, com o fim de prestar assistência social. Ainda, também é certo que o direito à saúde compreende a manutenção de uma boa qualidade de viver.

       Por outro lado, de fato, não há como negar um liame entre ambos, pois a falta de assistência à saúde pode, em muitos casos, levar à perda da vida, bem supremo de todo ser humano, uma vez que sem existência, não há sentido de discussão sobre qualquer outro direito. Por isso, apresenta-se imperioso haver algum mecanismo específico de proteção.

        De modo a facilitar a questão a ser abordada, faz-se uma distinção entre direitos e garantias: direitos são expressos em normas de cunho material, ou seja, em disposições que declaram e conferem existência legal à faculdade do indivíduo de realizar ou deixar de realizar um ato, de exigir de outrem a prática ou abstenção de certos atos, etc.; por sua vez, as garantias são expressas em disposições instrumentais, em outras palavras, servem para proteger a efetiva aplicação dos direitos. Prestam-se, como exemplo, o direito à liberdade de locomoção, que tem como instrumento de proteção o habeas corpus (garantia prevista no art. 5º, inciso LXVIII, da CF/88), bem como o direito ao conhecimento de informações relativas ao indivíduo existentes em registros ou bancos de dados de entidades governamentais ou de caráter público, que tem como meio de proteção o habeas data (garantia prevista no art. 5º, inciso LXXII, alínea “a”, da CF/88).

        Feitas essas considerações, tem-se que o direito à liberdade possui um instrumento jurídico específico para sua proteção, no caso o habeas corpus, conforme disposto no art. 5º, inciso LXVIII, da CF/88 e nos arts. 647 a 667 do Código de Processo Penal. Ainda, pela importância desse direito, o habeas corpus poderá ser impetrado por qualquer pessoa, em seu favor ou de outrem, ou seja, é um caso excepcional que dispensa a presença de advogado para o ingresso em juízo.

        É indiscutível a grandeza do direito à liberdade e que todas as garantias para que seja assegurado são necessárias e pertinentes, como a previsão de uma medida judicial exclusiva, com tramitação mais célere que os procedimentos ordinários e, inclusive, com a dispensa de advogado. Todavia, se tais medidas são dispensadas à proteção da liberdade, não seria primordial que o mesmo tratamento fosse concedido para proteção da saúde, quando em risco evidente a vida? O direito à saúde, nessas situações, não se apresentaria, senão de maior, pelo menos de mesma grandeza que a liberdade?

        Com base nas colocações acima, sempre que se deparar com um problema de saúde do indivíduo que coloque, de forma direta e imediata, risco a sua vida e não houver a devida prestação de auxílio, seja por meios privados ou públicos, deve haver mecanismo que lhe propicie exigir do Estado a assistência necessária, com a devida celeridade e informalidade que a situação exige. Por isso, assim como há para proteção do direito à liberdade o habeas corpus, também deve existir nessas hipóteses um instrumento jurídico de amparo equivalente, podendo ser denominado de habeas vita ou habeas salus, o qual, por emenda constitucional, deve ser incluído em nossa Constituição Federal.  

Notas e observa??es:
¹ SARLET, Ingo Wolfgang. A eficácia dos direitos fundamentais, 4ª edição. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2004, págs. 33 a 41, 47 a 60

Este conteúdo foi redigido e finalizado em 08/09/2008, segundo o seu autor e responsável.
Representa, única e exclusivamente, a opinião particular dopróprio autor. Ele é o único responsável pelas informações acima dispostas e publicadas, an?lises e cr?ticas assumidas, informações pesquisadas, inclu?das e citações realizadas.


Evandro Luís  Falcão 
Membro desde abril de 2006
Servidor Público Federal - Analista Judiciário do TRF-4ª Região, Graduado em Direito pela PUC-RS, em 1993. Especialista em Direito Público pelo Instituto de Desenvolvimento Cultural - IDC. *
* segundo opróprio membro em 28 de abril de 2006


Leia mais artigos do mesmo autor(a): Evandro Falcão
» Roubo Próprio, Impróprio E Concurso De Tentativa De Furto Com Ameaça -07/11/2008 18:26:57
» Redução da Menoridade Penal -14/07/2008 19:23:36
» Alienação Antecipada de Bens em Procedimento Penal -13/02/2008 17:16:54
» Competência na Execução da Pena -04/09/2007 18:50:42
» Direito à vida, sua importância e consectários -23/06/2006 11:56:44
» Regime prisional e substituição, aplicação para os crimes hediondos e equiparados -28/04/2006 19:48:30
Leia mais artigos sobre a mesma matéria: Direito Constitucional
» A PRF não é Polícia -19/05/2014 17:19:11
» Breves considerações sobre o Direito de Recusa a fazer prova contra si mesmo -16/08/2013 06:02:38
» Análise Crítica Dos Princípios Constitucionais e a Ponderação dos Bens -16/07/2009 23:50:02
» A Polêmica Farra Do Boi -26/06/2008 21:05:04
» A Redução da Maioridade Penal e sua Relação com a Criminalidade e Violência na Sociedade Brasileira -09/04/2008 19:59:00
» A Quebra do Sigilo Bancário e as Garantias Constitucionais -12/11/2007 16:21:59
» Imprensa e sigilo bancário -12/11/2007 16:18:38
» Constituição é realmente aplicada igualitariamente para todos -22/06/2007 11:53:12
» Controle de Constitucionalidade -24/02/2007 22:48:25
1021 visitantes leram este conteúdo até o momento


    Nenhum comentário a respeito, até o momento.






Deixe sua opinião:
Por favor, desligue o CAPS-LOCK.



PESQUISA
DIGITE A PALAVRA:


ESCOLHA EM QUE CAMPO PESQUISAR:

Todas as palavras
Expressão exata


ATUALIDADES
Breves apontamentos sobre a Homofobia
por Camila Andrade
Este artigo traz breves apontamentos acerca da temática da homofobia, inserindo-a na visão reacionária que é inerente ao fundamentalismo religioso, o ...
DIREITO CONSTITUCIONAL
A PRF não é Polícia
por Aristides Medeiros
A chamada “Polícia Rodoviária Federal” (rectius: Patrulha) – prevista no inc. II do art. 144, caput, da Constituição Federal, - não é Policia na acep...
DIREITO PENAL
Sobre o chamado "princípio da insignificância"
por Aristides Medeiros
O chamado "princípio da insignificância" constitui "de lege ferenda"...
DIREITO E SAÚDE
Médicos: Receitas com caligrafia ilegível
por Aristides Medeiros
É obrigação do médico expedir as receitas com caligrafia legível...
DIREITO CONSTITUCIONAL
Breves considerações sobre o Direito de Recusa a fazer prova contra si mesmo
por Aristides Medeiros
O direito de fazer prova contra si mesmo não é absoluto...
DIREITO TRIBUTÁRIO
Responsabilidade Tributária Do Sócio De Sociedade Empresária Limitada
por Jéssica Martini
este artigo tem por objetivo discorrer sobre os limites que o Fisco deve respeitar para que possa responsabilizar o sócio integrante de uma sociedade...
DIREITO CIVIL
Direito De Família E Alienação Parental
por Gisele Leite
A recente lei que trata sobre alienação parental dentro do cenário do direito de família contemporâneo....
DIREITO PROCESSUAL PENAL
Execução da Reparação Civil fundada em sentença condenatória pelo próprio Juízo Criminal
por Vinicius Conrado
Reflexão sobre a adoção do sincretismo processual pelo Juízo Criminal de execução de reparação civil em virtude de sentença condenatória....
FILOSOFIA
Natureza Humana, Livre-arbítrio E Mundo Contemporâneo
por Gisele Leite
Entender a filosofia e lógica de Nietzsche é tão desafiador como decifrar o mundo contemporâneo. O texto tenta apenas didaticamente expor a evolução d...
DIREITO PREVIDENCIÁRIO
Mudanças na Aposentadoria. Projeto de Lei 3299/2008.
por Leandro De Almeida
Artigo sobre as principais mudanças no cálculo das Aposentadorias que estão sendo discutidas no Congresso Nacional....