Adicionar RSS




Há    visitantes  além dos   membros online no site neste momento booked.net booked.net booked.net


   Adicionar RSS de Decisões & Notícias

Decisões & Notícias

 
FILTROS
Direito de Família
Falta de diálogo entre ex-cônjuges não inviabiliza guarda compartilhada
|Divórcio & Separação



Publicado em 01/04/2016

        BRASÍLIA, DF - Em decisão unânime, a Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) reformou decisão de tribunal estadual que negara a ex-cônjuge o direito de exercer a guarda compartilhada dos filhos, por não existir uma convivência harmoniosa entre os genitores.

       A guarda foi concedida à mãe, fato que ensejou o recurso do pai ao STJ. Ele alegou divergência jurisprudencial, além de violação ao artigo 1.584, parágrafo 2º, do Código Civil, sob o argumento de que teria sido desrespeitado seu direito ao compartilhamento da guarda.

       O relator, ministro Paulo de Tarso Sanseverino, acolheu o pedido. Segundo ele, a guarda compartilhada passou a ser a regra no direito brasileiro, uma vez que ambos os genitores têm direito de exercer a proteção dos filhos menores. Sanseverino acrescentou também que já está ultrapassada a ideia de que o papel de criação e educação dos filhos estaria reservado à mulher.

       Motivos graves

       Apesar de o acórdão ter destacado a dificuldade de diálogo entre os ex-conviventes, o relator entendeu que os fundamentos elencados pelo tribunal não apresentaram nenhum motivo grave que recomendasse a guarda unilateral.

       “Efetivamente, a dificuldade de diálogo entre os cônjuges separados, em regra, é consequência natural dos desentendimentos que levaram ao rompimento do vínculo matrimonial. Esse fato, por si só, não justifica a supressão do direito de guarda de um dos genitores, até porque, se assim fosse, a regra seria guarda unilateral, não a compartilhada”, disse o ministro.

       O relator citou exemplos de motivos aptos a justificar a supressão da guarda, como ameaça de morte, agressão física, assédio sexual, uso de drogas por um dos genitores. Situações que, segundo Sanseverino, inviabilizam o convívio saudável com os filhos.

       A turma determinou o retorno do processo ao Tribunal para novo julgamento do pedido de guarda, com a devida apreciação de provas e análise das demais questões alegadas na apelação do pai.

       O número do processo não será divulgado por estar em segredo de justiça.

Fonte:   STJ - Superior Tribunal de Justiça

Revisão: Mateus Matos

Leia mais sobre o mesmo tema: Divórcio & Separação
» Pacto antenupcial é solenidade indispensável para formalizar escolha de regime matrimonial diverso do legal -10/05/2018
» TJMG reconhece a mulher direito de assinar nome de solteira -26/01/2018
» Justiça brasileira define partilha de dinheiro depositado no exterior em caso de divórcio -24/11/2016
» Guarda compartilhada de menor é negada em caso de desentendimento dos pais -14/07/2016
» Guarda compartilhada de filhos está sujeita também a fatores geográficos -07/07/2016
» STJ considera legal divórcio feito sem audiência de conciliação -16/03/2016
» Direito de convivência familiar não se sobrepõe ao interesse maior de criança e jovem -09/12/2015
» É possível doação total dos bens quando o doador tiver fonte de renda periódica para sua subsistência -30/11/2015
» Revelia na ação de divórcio não autoriza exclusão de sobrenome de casada -16/06/2015
Leia mais sobre a mesma matéria: Direito de Família
» Pacto antenupcial é solenidade indispensável para formalizar escolha de regime matrimonial diverso do legal -10/05/2018
» Reconhecimento de multiparentalidade está condicionado ao interesse da criança -25/04/2018
» STJ decide que é possível prisão civil por pensão alimentícia devida a ex-cônjuge -20/04/2018
» TJMG reconhece a mulher direito de assinar nome de solteira -26/01/2018
» Guarda unilateral não impede ampliação do direito de visitas em prol da criança -16/09/2017
» STJ equipara Casamento a União Estável em caso de herança -23/08/2017
» Homem preso apesar de ter pagado pensão alimentícia é indenizado -03/03/2017
» Ministro do STJ determina retorno de criança à família substituta -30/01/2017
» STF decide que pais biológicos e afetivos têm as mesmas obrigações com filhos -21/09/2016
552 visitantes leram este conteúdo até o momento


    Nenhum comentário a respeito, até o momento.






Deixe sua opinião:
Por favor, desligue o CAPS-LOCK.



PESQUISA
DIGITE A PALAVRA:


ESCOLHA EM QUE CAMPO PESQUISAR:


Todas as palavras
Expressão exata