Há    visitantes  além dos   membros online no site neste momento

Siga O Direito no Facebook



Adicionar RSS




25/09/2017 - 10:47:40

CAPA
ARTIGOS
CONCURSOS & SELEÇÕES
DEBATES
DECISÕES & NOTÍCIAS
DICIONÁRIOS
EVENTOS & CURSOS
LEGISLAÇÃO
LIVROS: AVALIAÇÕES
OPINIÕES
PROVAS
SITES
TESES & PESQUISAS
VISITAS
 

 ARTIGOS

   Adicionar RSS de Artigos
Publique seu Artigo
clicando aqui
 
Publicidade  Anuncie aqui

Gostou deste site? Por que não ajudar a mantê-lo?
MATÉRIAS
Arbitragem
Atualidades
  - Economia
  - Governo
  - Política
Direito Administrativo
Direito Agrário
Direito Ambiental
Direito Civil
  - Direito Autoral
  - Direito das Coisas
  - Direito das Obrigações
  - Direito das Sucessões
  - Direito de Família
  - Direito do Consumidor
  - Direito Empresarial
  - Direito Falimentar
  - Direitos Reais
Direito Comercial
Direito Constitucional
Direito de Trânsito
Direito Desportivo
Direito do Trabalho
Direito e Educação
Direito e Religião
Direito e Saúde
Direito e Tecnologia
Direito Econômico e Financeiro
Direito Eleitoral
Direito Internacional
Direito Militar
Direito Penal
  - Execuções Penais
Direito Previdenciário
Direito Processual
  - Direito Processual Civil
  - Direito Processual Constitucional
  - Direito Processual do Trabalho
  - Direito Processual Penal
Direito Tributário
Direitos Humanos
Filosofia
Língua Portuguesa
Medicina Legal
Ministério Público
Poder Executivo
Poder Judiciário
Poder Legislativo
Teoria Geral do Direito
  - Direito Romano
  - História do Direito
  - Sociologia Jurídica
Direito Processual
Basta à formalidade excessiva!


Publicado desde 01/03/2007
Marcelo  Bernardes 

        É inquestionável que, já há muito, temos que admitir, de forma lamentável, é bastante clara a reverência à exacerbação de vetustas formalidades jurídicas, estas, que toda a comunidade do direito almeja expurgar, mas que ainda são utilizadas em renomados Tribunais do país, e pior, de igual forma, nas Cortes Superiores.

        Em não poucas vezes, por meio de diversos Recursos são discutidas e avaliadas questões de extrema importância e de relevância constitucional até; no entanto, verificamos ainda a exaltação de entendimentos arcaicos que se prendem a formalismos “xiitas” ou demasiadamente excessivos, que trazem prejuízos incomensuráveis, tanto para o ora Recorrente, quanto para a Sociedade como um todo.

        Trazendo lume à tão antigos posicionamentos, verificamos que figuras impolutas do meio jurídico nacional, já externaram seus conceituados e modernos entendimentos, estes, uníssonos no combate ao formalismo excessivo a que, infelizmente, de forma inadequada se prende parte do Poder Judicante de nosso país em todas as suas esferas.

        A não redenção do Poder Judiciário a formalidades despiciendas é, há priscas eras, fator desejado por grande parte dos operadores do direito, vez que estes, em especial, os advogados, assim poderão usufruir um pronto e absoluto funcionamento da Justiça!

        Resta consolidado que, a “formalidade irritante” a que já se referiram alguns Ministros do Superior Tribunal de Justiça, não poderia ser motivo para deixar de receber um Recurso pela instância singela ou juízo ad quem, pois, depois de sanada a dita “formalidade” atempadamente, o pagamento de uma guia de custas, por exemplo, poderemos então ver decididas questões de importância ímpar.

        Cremos, sem pestanejar, que negar a qualquer Recorrente o direito de ver reexaminado questões relevantíssimas no meio jurídico em voga, é a concreta materialização in conteste, de franco ataque ao que dispõe o art. 5º, inciso XXXV, da Carta Magna, que prega que “a lei não excluirá da apreciação do Poder Judiciário lesão ou ameaça de direito”.

        Ora, atualmente, por intermédio do Sistema Push, existente em diversos sites dos Tribunais Superiores do país, inclusive nas Cortes Maiores, o advogado pode acompanhar via internet o andamento processual dos feitos em que atua. Nesse contexto, em um outro exemplo, não há como admitirmos de forma alguma, que um Recurso interposto antes da publicação do acórdão, deixe de ser conhecido e seja considerado intempestivo por este bizarro motivo, leia-se, presteza do procurador da parte, pois assim estará se negando a modernização do Poder Judiciário.

        Portanto, resta indiscutível e por demais claro, que a hodierna concepção do processo como meio de acesso à justiça, é incompatível com o culto ao formalismo exacerbado. Como já disse a Ministra do STJ Eliana Calmon: "no momento em que há publicação das decisões pela internet, tendo criado o Tribunal, inclusive, a Revista Eletrônica, é um contra-senso falar em tempestividade recursal a partir da publicação pelo DJU". E advertia: "a demora na publicação das decisões, via Imprensa Oficial, não coloca o Judiciário em condições de cobrar dos causídicos o acompanhamento das lides pelo Diário Oficial."   Outro notabilíssimo Ministro do STJ, Humberto Gomes de Barros, também manifestou sobre o tema dizendo: “A publicação do acórdão não constitui ato-condição de sua existência. Ela é, simplesmente, a formalidade que marca o início do prazo recursal. A parte sucumbente pode antecipar-se a tal formalidade, manejando, antes dela, o recurso apropriado. Ignorar recurso interposto antes de publicado o acórdão seria inverter o sentido da velha máxima, dormientibus non succurrit jus. Seria proclamar que o Direito não socorre os diligentes”.   Sob alicerces deste quilate, temos que a interposição de recurso antes de publicada a decisão recorrida, fato que, repita-se, demonstra o imprescindível zelo do causídico contratado pela parte, não está "fora do prazo", nem tampouco intempestiva.

        Precisamos e clamamos por posicionamentos que combatam o formalismo excessivo a que inadequadamente se prende o Poder Judicante de nosso país em todas as suas esferas.

        A parte tem o direito de ver seus Recursos, que são interpostos nos Tribunais de todo o país, e que almejam tão somente o reexame legal de questões de extrema importância, não devidamente perscrutadas juridicamente desde o Juízo singular, devidamente discutidos e muito bem avaliados, apenas isso.

        Assim, cremos que a não redenção do Poder Judiciário a formalidades despiciendas e que possam impedir o pronto e absoluto funcionamento da Justiça é medida mais do que urgente, pois não mais podemos aceitar que o atual entendimento em voga nos Tribunais Superiores, que não é nenhum pouco razoável, continue a prevalecer, penalizando as partes e seus advogados diligentes, privilegiando, desta forma, o formalismo inútil em detrimento dos princípios da instrumentalidade das formas e da efetividade da tutela jurisdicional.

       

        

Este conteúdo foi redigido e finalizado em 27/02/2007, segundo o seu autor e responsável.
Representa, única e exclusivamente, a opinião particular do próprio autor. Ele é o único responsável pelas informações acima dispostas e publicadas, análises e críticas assumidas, informações pesquisadas, incluídas e citações realizadas.


Marcelo Di Rezende  Bernardes 
Membro desde março de 2005
*
* segundo o próprio membro em 15 de março de 2005


Leia mais artigos do mesmo autor(a): Marcelo Bernardes
» Assédio Moral É Crime? -17/12/2008 22:37:18
» Interceptações Telefônicas X Estado Democrático de Direito -15/01/2008 21:45:02
» A realidade vigente dos chamados Crimes Passionais -15/09/2007 17:19:23
» A Pena de Morte não é a solução -05/05/2007 16:56:45
» A Energia Nuclear É Segura? -02/12/2006 15:19:17
» O importante papel das Associações de Advogados -27/09/2006 18:43:11
» A liberdade de culto e o preconceito contra os evangélicos -16/08/2006 23:16:31
» O sedentarismo na escrita jurídica -15/07/2006 11:13:36
» Excluídos, todos somos! -04/06/2006 17:44:25
Leia mais artigos sobre a mesma matéria: Direito Processual
» Sobre o chamado Princípio da Insignificância -17/05/2009 08:45:11
» A execução civil em face da lei 11.232/05. -08/08/2006 14:36:37
» Análise da obra poderes instrutórios do Juiz de José Roberto Bedaque sobre as provas ilícitas -11/06/2006 14:44:42
» Ementa de acórdão: deve enunciar apenas a regra de direito -28/12/2005 10:35:20
» As implicações da interceptação telefônica. -22/09/2005 15:42:29
» A discussão em torno da prova -22/09/2005 15:38:20
» O Devido Processo Legal -09/06/2005 09:27:01
» Revelia, a rebeldia do réu que não contestou o pedido -14/09/2003 09:01:19
» Comentários a ação civil pública (Lei 7.347/85 ou LACP) -04/05/2003
552 visitantes leram este conteúdo até o momento


    Nenhum comentário a respeito, até o momento.






Deixe sua opinião:
Por favor, desligue o CAPS-LOCK.

PESQUISA
DIGITE A PALAVRA:


ESCOLHA EM QUE CAMPO PESQUISAR:

Todas as palavras
Expressão exata

Publicidade  Anuncie aqui

ARTIGOS 
ATUALIDADES
Breves apontamentos sobre a Homofobia
Camila Andrade
DIREITO CONSTITUCIONAL
A PRF não é Polícia
Aristides Medeiros
DIREITO PENAL
Sobre o chamado "princípio da insignificância"
Aristides Medeiros
DIREITO E SAÚDE
Médicos: Receitas com caligrafia ilegível
Aristides Medeiros
DIREITO CONSTITUCIONAL
Breves considerações sobre o Direito de Recusa a fazer prova contra si mesmo
Aristides Medeiros
DIREITO TRIBUTÁRIO
Responsabilidade Tributária Do Sócio De Sociedade Empresária Limitada
Jéssica Martini
DIREITO CIVIL
Direito De Família E Alienação Parental
Gisele Leite
DIREITO PROCESSUAL PENAL
Execução da Reparação Civil fundada em sentença condenatória pelo próprio Juízo Criminal
Vinicius Conrado
FILOSOFIA
Natureza Humana, Livre-arbítrio E Mundo Contemporâneo
Gisele Leite
DIREITO PREVIDENCIÁRIO
Mudanças na Aposentadoria. Projeto de Lei 3299/2008.
Leandro De Almeida
Adicionar RSS de Artigos
 
Site pessoal de:  MATEUS MATOS
Editoria:  MATEUS MATOS
Sistema desenvolvido por:   MATEUS MATOS

Parceria? Anunciar? Política de Privacidade Copyright 1996 - 2017 O Direito © Todos os direitos reservados a Mateus Matos. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Exceto o conteúdo publicado pelos Membros, já que estes têm responsabilidade pelas suas publicações bem como autoridade para permitir ou não a sua publicação

Ano 19 - De junho/2015     13.0.02 12/04/2012