Há    visitantes  além dos   membros online no site neste momento

Siga O Direito no Facebook



Adicionar RSS




23/09/2017 - 01:01:09

CAPA
ARTIGOS
CONCURSOS & SELEÇÕES
DEBATES
DECISÕES & NOTÍCIAS
DICIONÁRIOS
EVENTOS & CURSOS
LEGISLAÇÃO
LIVROS: AVALIAÇÕES
OPINIÕES
PROVAS
SITES
TESES & PESQUISAS
VISITAS
 

 ARTIGOS

   Adicionar RSS de Artigos
Publique seu Artigo
clicando aqui
 
Publicidade  Anuncie aqui

Gostou deste site? Por que não ajudar a mantê-lo?
MATÉRIAS
Arbitragem
Atualidades
  - Economia
  - Governo
  - Política
Direito Administrativo
Direito Agrário
Direito Ambiental
Direito Civil
  - Direito Autoral
  - Direito das Coisas
  - Direito das Obrigações
  - Direito das Sucessões
  - Direito de Família
  - Direito do Consumidor
  - Direito Empresarial
  - Direito Falimentar
  - Direitos Reais
Direito Comercial
Direito Constitucional
Direito de Trânsito
Direito Desportivo
Direito do Trabalho
Direito e Educação
Direito e Religião
Direito e Saúde
Direito e Tecnologia
Direito Econômico e Financeiro
Direito Eleitoral
Direito Internacional
Direito Militar
Direito Penal
  - Execuções Penais
Direito Previdenciário
Direito Processual
  - Direito Processual Civil
  - Direito Processual Constitucional
  - Direito Processual do Trabalho
  - Direito Processual Penal
Direito Tributário
Direitos Humanos
Filosofia
Língua Portuguesa
Medicina Legal
Ministério Público
Poder Executivo
Poder Judiciário
Poder Legislativo
Teoria Geral do Direito
  - Direito Romano
  - História do Direito
  - Sociologia Jurídica
Atualidades
Atentado Inconstitucional à Advocacia


Publicado desde 05/07/2008
João  Pomar 

        A Sugestão nº 151/2005 que tramita na Câmara de Deputados por iniciativa do Conselho de Defesa Social de Estrela do Sul, CONDESESUL, instituição reconhecida de utilidade pública pelo Município de Estrela do Sul/MG propondo modificações no Código de Processo Civil apronta mais uma sugerindo a inserção de parágrafo único ao art. 36 do Código de Processo Civil. A intenção é assegurar à parte o direito de postular em causa própria e promover sua autodefesa judicial, bastando que manifeste expressamente a vontade de não se fazer representar por advogado.

       Na justificativa o proponente invoca o Pacto de São José da Costa Rica e argumenta que a inscrição no quadro da Ordem dos Advogados do Brasil exige apenas o bacharelado, enquanto que há pessoas com Doutorado em Direito que não estão inscritas na Ordem cujo direito de liberdade não pode obrigá-las a contratar advogado, em especial para causas patrimoniais. A sugestão tem, ao menos, a cautela de ressaltar que é apenas para defesa própria e não de terceiros.

       A proponente desta feita não levou em conta o art. 133 da Constituição Federal que estabelece ser o advogado indispensável à administração da Justiça, e que este preceito não trata de uma prerrogativa profissional, mas de um serviço público de relevância social e imprescindível à segurança do processo democrático. E que se o art. 36 merecesse algum reparo seria para afastar a hipótese de alguém sem habilitação advogar em causa própria, pois na falta de profissional local há que se reconhecer atribuição ampliada à Defensoria Pública, ou encargo da Ordem em designar defensor, pois todo preceito inferior que admita o jus postulandi à parte está eivado de inconstitucionalidade por ofensa àquele dispositivo.

       Por outro lado, o Pacto de São José da Costa Rica tratando sobre as garantias judiciais prevê que toda pessoa terá o direito de ser ouvida por um juiz ou Tribunal na apuração de qualquer acusação penal, ou na determinação de seus direitos e obrigações de caráter civil, trabalhista, fiscal ou de qualquer outra natureza. Mas isto não implica em que se lhe confira a dispensa de advogado, tanto que o tratado assim se refere quando versa da defesa penal e proclama o direito do acusado defender-se pessoalmente ou de ser assistido por um defensor de sua escolha, circunstância que no Brasil aperfeiçoa-se com a designação de dativo para assegurar o direito - também fundamental - de permanecer calado.

       Ademais, sabe-se que para ingressar no quadro de advogados não basta o bacharelado, mas que é preciso aprovação em Exame de Ordem, e que mesmo o inscrito está sujeito a responder por inépcia profissional; que o doutoramente gera título acadêmico que atesta a capacidade de investigação científica, mas não pressupõe instrumentalização ou habilitação profissional; e que a liberdade – inclusive quanto ao contratar - tem pressupostos de convivência social que legitimam as normas de direito material e instrumental.  A Comissão de Legislação Participativa da Câmara está analisando a Sugestão nº 151/2005, e desde o dia 19/06/2008 conta com parecer de mérito do Deputado Relator, Lincoln Portela, que votou por sua rejeição fundamentando com a atenção que a matéria requer - embora um pouco aquém da tese que acima esgrimi - dizendo que a sugestão “é totalmente despicienda. Naqueles casos em que a parte pode se representar, já existe previsão legal. Afora esses, é inconstitucional qualquer lei que vise eliminar a figura do advogado, que é considerado no Art. 133 da Constituição Federal, essencial para a administração da Justiça”.

       A sugestão legislativa envolve, também, outras propostas que versam sobre regras do mandato judicial, de competência e do incidente de inconstitucionalidade, todas rejeitadas pelo Relator, e não deverá prosperar na Comissão de Legislação Participativa, como adiante não teria a mínima possibilidade perante a Comissão de Constituição Justiça e Cidadania, por constituir notório atentado inconstitucional à Advocacia.

Este conteúdo foi redigido e finalizado em 27/06/2008, segundo o seu autor e responsável.
Representa, única e exclusivamente, a opinião particular do próprio autor. Ele é o único responsável pelas informações acima dispostas e publicadas, análises e críticas assumidas, informações pesquisadas, incluídas e citações realizadas.


João Moreno  Pomar 
Membro desde junho de 2006
JOÃO MORENO POMAR, natural do Rio Grande/RS, é Doutor em Direito Processual pela Universidad de Buenos Aires; Especialista em Direito Civil e Empresarial, Bacharel em Ciências Jurídicas e Sociais e Bacharel em Administração pela Universidade Federal do Rio Grande; e aperfeiçoado em Direito Ambiental, Direito do Mar e Metodologia do Ensino Jurídico. Advogado inscrito sob o nº 7.497 na OAB/RS, exerce a advocacia, ininterruptamente, desde o ano de 1974, e nesta Instituição desempenhou os cargos de Corregedor Geral, Conselheiro, Julgador do Tribunal de Ética e Disciplina e membro da Comissão de Direitos Humanos, na Seccional do Rio Grande do Sul; Diretor Regional e Conferencista, na Escola Superior de Advocacia; e Presidente, Vice-Presidente e Conselheiro, na Subsecção de Rio Grande. Professor de Direito Processual Civil da Universidade Federal do Rio Grande desde o ano de 1988, exerceu os cargos de Chefe do Departamento de Ciências Jurídicas e Coordenador do Curso de Direito, equivalente ao de Diretor de Faculdade; Coordenador do Curso de Especialização em Direito Civil e Empresarial; Supervisor do Serviço de Assistência Judiciária; Supervisor do Trabalho de Graduação; e Supervisor das Atividades Complementares. *
* segundo o próprio membro em 23 de junho de 2006


Leia mais artigos do mesmo autor(a): João Pomar
» Denúncia Injusta E Responsabilização Do Estado -26/10/2008 11:40:33
» Uso e Abuso da Vida Animal -26/10/2008 11:36:18
» Regulamentação do Recurso Especial Repetitivo no Âmbito Do STJ -21/07/2008 00:05:51
» O Interesse Universal na Amazônia e na Patagônia -02/07/2008 20:09:57
» Atentado à Idoneidade da Advocacia -02/07/2008 19:54:36
» Recursos Especiais Repetitivos e Acórdãos Paradigmais da Lei 11.672/08 -10/05/2008 01:00:32
» Desjudicialização e Desjurisdicialização -24/04/2008 11:08:30
Leia mais artigos sobre a mesma matéria: Atualidades
» Breves apontamentos sobre a Homofobia -31/07/2014 14:45:46
» Decifração -20/08/2011
» Indumentária Polêmica -27/11/2009 20:18:04
» Atentado à Idoneidade da Advocacia -02/07/2008 19:54:36
» O importante papel das Associações de Advogados -27/09/2006 18:43:11
» Os heróis e o tempo -08/09/2006 16:30:19
» “Eu, tu, eles” -30/08/2006 11:30:54
» O sedentarismo na escrita jurídica -15/07/2006 11:13:36
» Violência e paz -06/06/2006 18:34:36
653 visitantes leram este conteúdo até o momento


    Nenhum comentário a respeito, até o momento.






Deixe sua opinião:
Por favor, desligue o CAPS-LOCK.

PESQUISA
DIGITE A PALAVRA:


ESCOLHA EM QUE CAMPO PESQUISAR:

Todas as palavras
Expressão exata

Publicidade  Anuncie aqui

ARTIGOS 
ATUALIDADES
Breves apontamentos sobre a Homofobia
Camila Andrade
DIREITO CONSTITUCIONAL
A PRF não é Polícia
Aristides Medeiros
DIREITO PENAL
Sobre o chamado "princípio da insignificância"
Aristides Medeiros
DIREITO E SAÚDE
Médicos: Receitas com caligrafia ilegível
Aristides Medeiros
DIREITO CONSTITUCIONAL
Breves considerações sobre o Direito de Recusa a fazer prova contra si mesmo
Aristides Medeiros
DIREITO TRIBUTÁRIO
Responsabilidade Tributária Do Sócio De Sociedade Empresária Limitada
Jéssica Martini
DIREITO CIVIL
Direito De Família E Alienação Parental
Gisele Leite
DIREITO PROCESSUAL PENAL
Execução da Reparação Civil fundada em sentença condenatória pelo próprio Juízo Criminal
Vinicius Conrado
FILOSOFIA
Natureza Humana, Livre-arbítrio E Mundo Contemporâneo
Gisele Leite
DIREITO PREVIDENCIÁRIO
Mudanças na Aposentadoria. Projeto de Lei 3299/2008.
Leandro De Almeida
Adicionar RSS de Artigos
 
Site pessoal de:  MATEUS MATOS
Editoria:  MATEUS MATOS
Sistema desenvolvido por:   MATEUS MATOS

Parceria? Anunciar? Política de Privacidade Copyright 1996 - 2017 O Direito © Todos os direitos reservados a Mateus Matos. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Exceto o conteúdo publicado pelos Membros, já que estes têm responsabilidade pelas suas publicações bem como autoridade para permitir ou não a sua publicação

Ano 19 - De junho/2015     13.0.02 12/04/2012