Adicionar RSS




Há    visitantes  além dos   membros online no site neste momento booked.net booked.net booked.net


   Adicionar RSS de Artigos

Artigos

Publique seu Artigo
clicando aqui
 
FILTROS
Direito Processual
A execução civil em face da lei 11.232/05.


Publicado desde 09/08/2006
Robson  Silva 

        A Execução Civil em face da Lei 11232/05.

        A execução civil sempre foi um processo autônomo no direito processual civil, isso gerava incertezas ao credor no tocante a liquidez de uma sentença em seu favor.

        O devedor que de alguma forma que se obstava a pagar a divida e sabedor da continuidade de atos de oposição ao pagamento ou mesmo resistindo a se curvar diante de uma sentença condenatória transitada em julgado poderia ganhar mais tempo e conseguir ao final levantar os valores pertinentes a execução civil ou ate mesmo dar fim no patrimônio, e dilapidando-o restando ao credor apenas a ação de insolvência civil o que não lhe dava garantias.

        Com o advento da Lei 11232/05 o credor ganhou uma força inigualável a anterior forma de execução civil, fazendo de um processo de cobrança judicial, por exemplo, mais célere e eficaz, não havendo tempo suficiente ao devedor de dilapidar seu patrimônio, pois a execução se faz no mesmo processo de conhecimento amparada nos títulos executivos judiciais do Artigo 475N, I, do CPC.

        A esta modificação a doutrina deu o nome de processo sincrético ou sincretismo e a quem denomine ação executiva Lato Sensu.  Na nova execução amparada em titulo judicial o executado não pode mais apresentar embargos a execução devendo ser feita uma impugnação ao pagamento com fulcro no artigo 475L do CPC através de petição simples constituindo um simples incidente no processo de conhecimento. Passou assim o processo de conhecimento a possuir as fases:

       Postulatória

       Saneadora

       Instrutória

       Decisória

       Executória.

       Considerações importantes.    A impugnação tem prazo de 15 dias contados sempre da intimação da penhora com fundamento no artigo 475J, §1º do CPC.   No passado a intimação da penhora deveria ser pessoal ao executado, (artigo 738, I, CPC) hoje a intimação pode ser feita na pessoa do advogado do executado e não precisa ser pessoal nos termos do artigo 475J §1º.   Os embargos sempre suspendiam o curso normal da execução conforme dispunha o artigo 739 §1º do CPC, na nova lei o juiz é quem decide se a execução ficara suspensa ou não nos termos do artigo 475M do CPC.   O pagamento não efetuado na data prevista acarretara multa de 10%, a partir do momento que não houver mais recurso em efeito suspensivo, quando se tratar de matéria constitucional Recurso Especial e quando versar sobre Lei Federal Recurso Extraordinário, tornando possível a execução (artigo 475J CPC).    O Sistema antigo foi mantido somente em duas hipóteses:

       a) Par os portadores de títulos executivos extrajudiciais. Ex: Cheque

       b) Quando a executada for a Fazenda Pública, neste caso, independente da natureza do titulo executivo.

        Para maior garantia o juiz poderá penhorar o executado de oficio pelo sistema “on line” bloqueando todos os bens sobre o CPMF do executado, nesta hipótese o devedor é intimado e notificado do bloqueio, atingindo bens e direitos como imóveis e contas bancarias.   Esse instituto foi criado na Justiça do Trabalho e migrou para as demais áreas do Direito como o Processo Civil e o Direito Tributário.   Quanto a competência do Foro alem do juízo competente do credor o foro do devedor poderá ser eleito para a execução independente do lugar da incidência do processo de conhecimento, poderá ser o do devedor, onde estiver os bens do devedor nos termos do artigo 475P, § Único do CPC remetendo todo o processo para a vara competente nessas hipóteses, porem facultando ao credor a solicitação de carta precatória.   São mudanças importantes em tempos que o Brasil necessita de fomentação comercial e industrial.

Notas e observa??es:
Lei 11232/05 www.planalto.gov.br

Este conteúdo foi redigido e finalizado em 08/08/2006, segundo o seu autor e responsável.
Representa, única e exclusivamente, a opinião particular dopróprio autor. Ele é o único responsável pelas informações acima dispostas e publicadas, an?lises e cr?ticas assumidas, informações pesquisadas, inclu?das e citações realizadas.


Robson da  Silva 
Membro desde março de 2006
Advogado com formação em direito pela Universidade de Santo Amaro - Unisa- SP. Especialista em direito Penal pela mesma Universidade. Pós graduado em Direito Militar pela Fundação Trompowsky do Departamento de Ensino do Exército Brasileiro em parceiria com a UNISUL - Universidade do Sul de Santa Catarina. *
* segundo opróprio membro em 24 de março de 2006


Leia mais artigos do mesmo autor(a): Robson Silva
» Obediência hierárquica -14/08/2006 22:26:00
» Fases das licitações na administração pública. -27/06/2006 18:06:14
» A legitimidade das prisões no processo administrativo militar. -24/03/2006 21:44:40
Leia mais artigos sobre a mesma matéria: Direito Processual
» Sobre o chamado Princípio da Insignificância -17/05/2009 08:45:11
» Basta à formalidade excessiva! -27/02/2007 22:24:45
» Análise da obra poderes instrutórios do Juiz de José Roberto Bedaque sobre as provas ilícitas -11/06/2006 14:44:42
» Ementa de acórdão: deve enunciar apenas a regra de direito -28/12/2005 10:35:20
» As implicações da interceptação telefônica. -22/09/2005 15:42:29
» A discussão em torno da prova -22/09/2005 15:38:20
» O Devido Processo Legal -09/06/2005 09:27:01
» Revelia, a rebeldia do réu que não contestou o pedido -14/09/2003 09:01:19
» Comentários a ação civil pública (Lei 7.347/85 ou LACP) -04/05/2003
856 visitantes leram este conteúdo até o momento


    Nenhum comentário a respeito, até o momento.






Deixe sua opinião:
Por favor, desligue o CAPS-LOCK.



PESQUISA
DIGITE A PALAVRA:


ESCOLHA EM QUE CAMPO PESQUISAR:

Todas as palavras
Expressão exata


ATUALIDADES
Breves apontamentos sobre a Homofobia
por Camila Andrade
Este artigo traz breves apontamentos acerca da temática da homofobia, inserindo-a na visão reacionária que é inerente ao fundamentalismo religioso, o ...
DIREITO CONSTITUCIONAL
A PRF não é Polícia
por Aristides Medeiros
A chamada “Polícia Rodoviária Federal” (rectius: Patrulha) – prevista no inc. II do art. 144, caput, da Constituição Federal, - não é Policia na acep...
DIREITO PENAL
Sobre o chamado "princípio da insignificância"
por Aristides Medeiros
O chamado "princípio da insignificância" constitui "de lege ferenda"...
DIREITO E SAÚDE
Médicos: Receitas com caligrafia ilegível
por Aristides Medeiros
É obrigação do médico expedir as receitas com caligrafia legível...
DIREITO CONSTITUCIONAL
Breves considerações sobre o Direito de Recusa a fazer prova contra si mesmo
por Aristides Medeiros
O direito de fazer prova contra si mesmo não é absoluto...
DIREITO TRIBUTÁRIO
Responsabilidade Tributária Do Sócio De Sociedade Empresária Limitada
por Jéssica Martini
este artigo tem por objetivo discorrer sobre os limites que o Fisco deve respeitar para que possa responsabilizar o sócio integrante de uma sociedade...
DIREITO CIVIL
Direito De Família E Alienação Parental
por Gisele Leite
A recente lei que trata sobre alienação parental dentro do cenário do direito de família contemporâneo....
DIREITO PROCESSUAL PENAL
Execução da Reparação Civil fundada em sentença condenatória pelo próprio Juízo Criminal
por Vinicius Conrado
Reflexão sobre a adoção do sincretismo processual pelo Juízo Criminal de execução de reparação civil em virtude de sentença condenatória....
FILOSOFIA
Natureza Humana, Livre-arbítrio E Mundo Contemporâneo
por Gisele Leite
Entender a filosofia e lógica de Nietzsche é tão desafiador como decifrar o mundo contemporâneo. O texto tenta apenas didaticamente expor a evolução d...
DIREITO PREVIDENCIÁRIO
Mudanças na Aposentadoria. Projeto de Lei 3299/2008.
por Leandro De Almeida
Artigo sobre as principais mudanças no cálculo das Aposentadorias que estão sendo discutidas no Congresso Nacional....