Pressione "Enter" pra pular este conteúdo

Policial que matou George Floyd é condenado a 22 anos e meio de prisão

Juiz sentenciou o ex-policial de Minneapolis Derek Chauvin a 22 anos e meio de prisão na sexta-feira pelo assassinato de George Floyd durante uma prisão em maio de 2020, cujo vídeo galvanizou um movimento de protesto nacional contra o racismo.

Um júri considerou Chauvin, que é branco, culpado em 20 de abril de assassinato não intencional de segundo grau, assassinato de terceiro grau e homicídio culposo na morte de Floyd, um homem negro. O veredicto foi amplamente visto como uma repreensão histórica ao uso desproporcional da força policial contra os negros americanos.

A sentença de Chauvin foi uma das mais longas proferidas por um ex-policial por uso de força letal ilegal nos Estados Unidos, disse o procurador-geral de Minnesota, Keith Ellison, cujo escritório processou o caso, a repórteres. Processos judiciais bem-sucedidos de policiais nesses casos têm sido raros.

“A sentença de hoje não é justiça, mas é outro momento de real responsabilidade no caminho para a justiça”, disse Ellison do lado de fora da sala do tribunal, conclamando os líderes de aplicação da lei nos Estados Unidos a considerá-lo um momento de reforma.

Na Casa Branca, o presidente dos EUA, Joe Biden, que falou várias vezes com a família Floyd, disse que a frase parecia apropriada.

O irmão de Floyd, Rodney, e seu sobrinho Brandon Williams criticaram a frase como um “tapa na cara”.

“Fomos condenados a uma pena de prisão perpétua”, disse Williams do lado de fora do tribunal. “Não podemos trazer George de volta.”

Com informações das Agências internacionais.

Mission News Theme by Compete Themes.