Pressione "Enter" pra pular este conteúdo

Trump desiste de restrições para estudantes estrangeiros

O governo Trump rescindiu sua política de impedir que estudantes internacionais que só fazem cursos on-line fiquem nos EUA, anunciou um juiz federal na terça-feira em Boston.

A decisão ocorre pouco mais de uma semana depois que a Imigração e a Alfândega anunciaram que os alunos das escolas que oferecem apenas cursos on-line devido à pandemia de coronavírus precisariam sair dos EUA ou transferir as escolas.

Informações dizem que a Casa Branca sentiu a repercussão da proposta e que alguns dentro da ala oeste acreditam que ela foi mal concebida e executada.

Segundo outra fonte, a Casa Branca agora está focada em aplicar a regra apenas a novos estudantes, e não a estudantes que já estão nos EUA. A Casa Branca se recusou a comentar sobre um processo político em andamento.

Por enquanto, no entanto, a decisão de abandonar a política é uma suspensão para mais de 1 milhão de estudantes internacionais nos EUA. Na última semana, os alunos expressaram frustração e preocupação com os próximos passos, enquanto universidades e faculdades anunciavam decisões de mudar todos os cursos on-line.

Entre essas universidades estava Harvard, que interpôs o processo juntamente com o Instituto de Tecnologia de Massachusetts. Desde então, várias faculdades e estados também entraram com uma ação.

“Achamos que as regras originais sugeridas eram cruéis e equivocadas e não serviam nossas universidades, não serviam nossos estudantes e, francamente, não serviam nosso país”

Presidente da Universidade Rice, David Leebron

Os alunos já estavam se preparando para a possibilidade de sair repentinamente dos EUA ou se transferir para uma universidade que oferece uma mistura de cursos on-line e presenciais.

Thussu, um veterano da Universidade da Califórnia em Berkeley e presidente da Associação Internacional de Estudantes da escola, chamou a notícia de terça-feira de “alívio”.

Thussu disse que não acreditou em seus olhos quando viu as notícias aparecerem no Facebook na terça-feira à tarde. Imediatamente, ela começou a mandar mensagens para os amigos, tentando verificar o que havia acontecido.

“Eu apenas esperava que fosse real”, disse ela. “Os últimos dias foram tão estressantes. A universidade está enviando e-mails, mas sem fornecer informações, e isso soou realmente terrível, e meio que nos disse para nos matricular em aulas presenciais, se possível. Muitos de nós estávamos super ansioso, então isso é realmente bom. “

Os requisitos de visto para estudantes sempre foram rigorosos e foi proibido vir para os EUA para fazer cursos somente on-line. A ICE manteve essa proibição nas orientações de 6 de julho, ao mesmo tempo em que oferecia certa flexibilidade para modelos híbridos, o que significa uma mistura de aulas on-line e presenciais.

A agência sugeriu que os alunos atualmente matriculados nos EUA considerassem outras opções, como a transferência para escolas com instruções presenciais.

MM