Pressione "Enter" pra pular este conteúdo

Acusação de estupro contra fundador do Wikileaks, Julian Assange, é encerrada por falta de provas na Suécia

O co-fundador do WikiLeaks esperou a investigação de nove anos, quando os promotores disseram que a memória da suposta vítima desapareceu.

Promotores suecos desistiram de seu caso de estupro contra Julian Assange, co-fundador do WikiLeaks, foi anunciado na terça-feira.

Assange enfrentou uma acusação de estupro decorrente de 2010, mas os promotores decidiram que, embora a queixosa sueca fosse plausível e tivesse provas confiáveis, sua memória da noite em questão havia desaparecido e havia poucas evidências corroborativas disponíveis.

“Suas declarações foram coerentes, extensas e detalhadas, no entanto, minha avaliação geral é que a situação probatória foi enfraquecida a tal ponto que não há mais motivo para continuar a investigação”, disse Eva-Marie Persson, diretora adjunta da Suécia do Ministério Público.

Em 2010, suspeito de cometer crimes sexuais na Suécia, Assange fugiu para o Reino Unido, passando a residir na embaixada do Equador, onde permaneceu de junho de 2012 a abril deste ano.

O advogado sueco de Assange, Per Samuelson, disse que, até onde ele sabia, os advogados britânicos ainda não haviam conseguido entrar em contato com Assange na prisão para informá-lo da decisão sueca.

“Este é o fim da associação de Assange ao sistema de justiça sueco”, disse Samuelson. “Mas ele não está feliz com a forma como foi tratado. Ele perdeu a fé no sistema de justiça sueco anos atrás.”

Em 2017, o promotor público responsável pelo caso na época interrompeu a investigação depois de esgotar todas as possibilidades de avançar. Após a remoção de Assange da embaixada em abril de 2019, o caso foi reaberto a pedido do advogado da parte ferida na Suécia.

A decisão de interromper a investigação pode ser questionada em uma apelação.

Elisabet Massi Fritz, advogada da acusadora, disse que ela e sua cliente discutem se devem solicitar uma revisão da decisão de desistir do caso. A decisão certa seria interrogar Assange em Londres e depois acusá-lo de estupro, disse ela.

“Após a decisão de hoje, minha cliente precisa de tempo para processar tudo o que aconteceu nesses nove anos para poder seguir em frente com sua vida”.

Extradição dos EUA

Assange ainda enfrenta 18 acusações nos Estados Unidos, incluindo alegações de que ele conspirou para invadir um computador do Pentágono e trabalhou com o ex-analista de inteligência do exército americano Chelsea Manning para vazar centenas de milhares de documentos classificados.

Enquanto isso, Pamela Anderson cancelou uma visita para ver Assange em uma prisão de Londres devido a uma “emergência pessoal”.

A atriz norte-americana deveria visitar Assange na terça-feira, antes de realizar uma coletiva de imprensa do lado de fora da prisão de Belmarsh, no sudeste de Londres.

Um comunicado da campanha Don’t Extradite Assange disse: “Pamela tem uma emergência pessoal, o que significa que ela teve que ir para casa e cancelar tudo pelas próximas duas semanas”.

Anderson disse que Assange foi submetido a “tortura psicológica traumática”, enquanto ela pedia que seu país natal, Austrália, impedisse que ele fosse extraditado para os EUA.

A ex-estrela de Baywatch – uma dos mais destacadas apoiadoras de Assange – o visitou na prisão no início deste ano.

Ela recentemente disse que estava “extremamente angustiada com o pensamento de seu estado debilitado” e acrescentou que seu coração se partiu por ele.

Anderson twittou que Assange estava “aguentando como um super-herói” em Belmarsh, para onde foi enviado no início deste ano depois de passar sete anos na embaixada do Equador em Londres para evitar extradição para a Suécia.

Com informações das Agências internacionais.

Seja o Primeiro a Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

MM