Pressione "Enter" pra pular este conteúdo

Nova Zelândia bane armas semi-automáticas e rifles de assalto 6 dias depois do massacre em mesquita

A Nova Zelândia acaba de proibir armas semiautomáticas (de uso militar) e fuzis de assalto, anunciou quinta-feira a ministra Jacinda Ardern, apenas seis dias depois dos ataques a duas mesquitas em Christchurch que deixaram 50 mortos.

Um programa de recompra será lançado para tirar as armas existentes de circulação, e aqueles que não cumprirem estarão sujeitos a multas, disse ela.

“No dia 15 de março, nossa história mudou para sempre. Agora, nossas leis também ”, disse Ardern. “Estamos anunciando ações hoje em nome de todos os neozelandeses para fortalecer nossas leis sobre armas e tornar nosso país um lugar mais seguro”.

O atirador que atacou as mesquitas Al Noor e Linwood na sexta-feira usou rifles AR-15 na pior arma que a Nova Zelândia já viu. Além dos 50 mortos, 40 pessoas ficaram feridas.

A Nova Zelândia tem uma tradição de caça e tiro como esporte, mas não há disposição legal para possuir armas para autodefesa.

“No dia 15 de março, nossa história mudou para sempre. Agora, nossas leis também ”

Jacinda Ardern

Ardern disse que não há razão para os neozelandeses possuírem esses tipos de armas, e há um amplo consenso sobre esse argumento.

A oposição de centro-direita do Partido Nacional apoiou a proibição, com seu líder, Simon Bridges, dizendo que era “imperativo no interesse nacional manter os neozelandeses seguros”.

As mudanças significam que as armas agora serão retiradas de circulação.

Após o período de devolução, aqueles que continuarem a possuí-los serão responsáveis ​​por uma multa de US $ 2.700 ou até três anos de prisão.

“Queremos aumentar a penalidade quando a proibição estiver em pleno vigor e as oportunidades de recompra acabarem”, disse Ardern.

Leia mais no The Washington Post

Seja o Primeiro a Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

MM