Pressione "Enter" pra pular este conteúdo

Aposentadoria voluntária não extingue contrato de trabalho

Com base na inconstitucionalidade do parágrafo 2º do artigo do 453 da CLT, declarada pelo Supremo Tribunal Federal em outubro passado, a 1ª Turma do TRT-10ª Região reformou a sentença do 1º grau e condenou a Brasil Telecom S/A a pagar a multa de 40% do FGTS sobre todos os depósitos efetuados na conta de ex-empregado, aposentado voluntariamente seis anos antes de sua dispensa imotivada. A empresa pagou a multa apenas sobre o saldo remanescente da conta, a qual já havia sofrido saques por ocasião da compra de um imóvel e da aposentadoria voluntária do empregado. O argumento da Brasil Telecom foi o da extinção do contrato de trabalho após a aposentadoria, previsto na Orientação Jurisprudencial 177/SD-1, do TST, hoje inaplicável. Portanto, a multa fundiária só recairia sobre os depósitos efetuados sob o novo contrato.

Segundo o relator do processo, juiz Oswaldo Florêncio Neme Júnior, a decisão do STF determina que a concessão de aposentadoria voluntária pelo INSS não extingue o contrato de trabalho. Neste caso, valendo-se o trabalhador da faculdade de continuar no emprego e sobrevindo a dispensa sem justa causa, é devida a multa de 40% sobre os depósitos do FGTS de todo o período trabalhado. Em seu voto, ele afirma que o procedimento da empresa contraria o artigo 18, parágrafo 2°, da Lei 8.036/90, que determina a incidência da multa sobre “o montante de todos os depósitos realizados na conta vinculada durante a vigência do contrato de trabalho, atualizados monetariamente e acrescidos dos respectivos juros”.

Diante do exposto, a Turma decidiu que sobre todos os depósitos deverá incidir a multa, incluídos os valores retirados pelo trabalhador.

Seja o Primeiro a Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

MM