Pressione "Enter" pra pular este conteúdo

Justiça do Rio expede mandados de prisão contra 69 policiais militares

O juiz Marcelo Villas, da 1ª Vara Criminal de Madureira, decretou a prisão preventiva de 69 policiais militares e de Bruno da Silva Loureiro, chefe do tráfico da Favela do Muquiço, em Guadalupe. Todos foram denunciados pelo Ministério Público Estadual após terem sido investigados pela Polícia Federal na chamada Operação Tingui, com o objetivo inicial de reprimir atividade ilícita de angolanos refugiados de guerra que estariam instruindo criminosos ligados ao tráfico ilícito de entorpecentes em diversas comunidadesdo Rio. Os policiais são acusados de crimes como extorsão, extorsão mediante seqüestro, corrupção passiva e de auxiliarem no tráfico de entorpecentes da favela.

Nas investigações da Polícia Federal e do Comando da Polícia Militar, feitas por meios de interceptações de comunicações telefônicas autorizadas pela Justiça, foram identificadas diversas equipes de policiais que utilizavam codinomes nas conversas com traficantes da Favela do Muquiço.

Na denúncia, o Ministério Público afirmou que os policiais auxiliaram a prática do crime de tráfico de entorpecentes uma vez que, na qualidade de PMs, deixavam de atuar na repressão ao comércio ilícito de drogas na favela em troca de dinheiro.

Na decisão, o juiz Marcelo Villas escreveu que “o envolvimento de vários policiais militares com o crime organizado acaba por denotar o quão grave e delicada é a situação concernente à segurança pública no Rio de Janeiro, sendo certo que a segregação cautelar de todos os envolvidos subsidiará a dissipação do sentimento de insegurança e impunidade que atualmente a população do Rio de Janeiro detém”.

Por Mateus Matos