Adicionar RSS




Há    visitantes  além dos   membros online no site neste momento booked.net booked.net booked.net


   Adicionar RSS de Decisões & Notícias

Decisões & Notícias

 
FILTROS
Direito do Trabalho
TST conclui que transportadora fraudou lei ao contratar motorista como empregado autônomo



Publicado em 22/06/2017

        BRASÍLIA, DF - A empresa de transporte e logística Gafor S.A. não conseguiu em recurso para o Tribunal Superior do Trabalho, julgado pela Quinta Turma, comprovar que mantinha com motorista relação apenas comercial, e não de emprego. A companhia tentava reverter decisão de 2ª instância que a condenou ao pagamento de verbas trabalhistas por entender que havia vínculo de emprego entre as partes, com todos os requisitos que o configuram.

       A defesa da Gafor se baseou na Lei 11.442/2007, afirmando que a relação jurídica entre a empresa e o motorista era de natureza comercial e que a competência para julgar ações relativas a contratos desse tipo é da Justiça Comum. De acordo com o processo, o motorista trabalhou como empregado durante dois anos na companhia e, um dia após sua dispensa sem justa causa, adquiriu da empresa um caminhão, financiado pela própria Gafor. Após a aquisição, assinou contrato de prestação de serviços com a transportadora que o dispensara recentemente.

       Autônomo

       A Lei 11.442/2007 dispõe sobre o Transporte Rodoviário de Cargas – TRC realizado por conta de terceiros e mediante remuneração, em que os mecanismos de sua operação e a responsabilidade ficam por conta do transportador. Empresas, inclusive aquelas cujo objeto social seja o transporte de cargas, podem contratar motoristas autônomos para a realização dos serviços, estabelecendo-se entre eles uma relação de natureza estritamente comercial. Mas para isso o transportador autônomo de cargas deve demonstrar, por exemplo, que realiza o transporte com veículo de sua propriedade, sem qualquer interferência de quem lhe contrata os serviços; arca com as despesas da atividade e com a inscrição no Registro Nacional de Transportadores Rodoviários de Cargas – RNTRC.

       Fraude

       Todavia, o Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região (RS) entendeu que a relação existente entre a Gafor e o motorista era de emprego, condenando a empresa a pagar as obrigações trabalhistas decorrentes desse vínculo. Segundo o TRT, a existência de contrato de trabalho anterior e a aquisição do caminhão na mesma data da extinção do contrato evidenciam a fraude aos direitos trabalhistas, já que o motorista continuou exercendo as mesmas funções. Também ficaram comprovados, conforme a decisão, os requisitos previstos no artigo 3º da CLT, como pessoalidade e subordinação.

       A transportadora recorreu ao TST, mas o relator, ministro Caputo Bastos, disse que não identificou na decisão do TRT-RS o enquadramento do motorista pela Lei nº 11.442. Em seu voto, o ministro reproduziu cada fundamento do Regional sobre os requisitos que configuram a relação de emprego, informando que somente poderia reconhecer o vínculo comercial por meio da modificação do quadro fático apresentado na instância ordinária, o que é vedado pela Súmula 126 do TST.

       Por unanimidade, a Quinta Turma não admitiu o recurso.

Fonte:   TST - Tribunal Superior do Trabalho

Revisão: Mateus Matos

Leia mais sobre a mesma matéria: Direito do Trabalho
» Comissão do TST decide que trabalhador não pagará honorário em caso de derrota -17/05/2018
» Associação de juízes questiona parecer sobre reforma trabalhista -16/05/2018
» Empregado em cargo de confiança pode receber em dobro por trabalhar nos domingos e nos feriados -10/05/2018
» Ives Gandra admite divisão do TST na aplicação da reforma trabalhista -04/05/2018
» Motorista de transporte de cigarros receberá reparação por assaltos sucessivos -24/04/2018
» Gerente receberá diferenças por cobrir férias de colega com salário maior -24/04/2018
» Cai MP que ajusta reforma trabalhista -20/04/2018
» TST mantém cláusula coletiva que garante estabilidade a empregados da CPTM com HIV e câncer -15/04/2018
» TST afasta vínculo entre vendedora de cartão de loja com instituição bancária -12/04/2018
326 visitantes leram este conteúdo até o momento


    Nenhum comentário a respeito, até o momento.






Deixe sua opinião:
Por favor, desligue o CAPS-LOCK.



PESQUISA
DIGITE A PALAVRA:


ESCOLHA EM QUE CAMPO PESQUISAR:


Todas as palavras
Expressão exata