Há    visitantes  além dos   membros online no site neste momento

Siga O Direito no Facebook



Adicionar RSS




20/09/2017 - 08:20:21

CAPA
ARTIGOS
CONCURSOS & SELEÇÕES
DEBATES
DECISÕES & NOTÍCIAS
DICIONÁRIOS
EVENTOS & CURSOS
LEGISLAÇÃO
LIVROS: AVALIAÇÕES
OPINIÕES
PROVAS
SITES
TESES & PESQUISAS
VISITAS
 

 ARTIGOS

   Adicionar RSS de Artigos
Publique seu Artigo
clicando aqui
 
Publicidade  Anuncie aqui

Gostou deste site? Por que não ajudar a mantê-lo?
MATÉRIAS
Arbitragem
Atualidades
  - Economia
  - Governo
  - Política
Direito Administrativo
Direito Agrário
Direito Ambiental
Direito Civil
  - Direito Autoral
  - Direito das Coisas
  - Direito das Obrigações
  - Direito das Sucessões
  - Direito de Família
  - Direito do Consumidor
  - Direito Empresarial
  - Direito Falimentar
  - Direitos Reais
Direito Comercial
Direito Constitucional
Direito de Trânsito
Direito Desportivo
Direito do Trabalho
Direito e Educação
Direito e Religião
Direito e Saúde
Direito e Tecnologia
Direito Econômico e Financeiro
Direito Eleitoral
Direito Internacional
Direito Militar
Direito Penal
  - Execuções Penais
Direito Previdenciário
Direito Processual
  - Direito Processual Civil
  - Direito Processual Constitucional
  - Direito Processual do Trabalho
  - Direito Processual Penal
Direito Tributário
Direitos Humanos
Filosofia
Língua Portuguesa
Medicina Legal
Ministério Público
Poder Executivo
Poder Judiciário
Poder Legislativo
Teoria Geral do Direito
  - Direito Romano
  - História do Direito
  - Sociologia Jurídica
Direito Penal
Redução da Menoridade Penal


Publicado desde 21/07/2008
Evandro  Falcão 

        A pretensão de ser reduzida a menoridade penal é motivada por alguns fatores, mas provavelmente o mais relevante é o acréscimo da criminalidade e, ainda, a elevação do envolvimento de adolescentes na prática de delitos. Apesar de importante a causa de tal intenção, a análise restringir-se-á ao estudo da possibilidade jurídica de ser realizada essa redução, sendo necessário alguns esclarecimentos preliminares.

       O Código Penal (Decreto-Lei nº 2848/1940), em seus arts. 26 a 28, regula a imputabilidade penal, considerando como inimputáveis os seguintes casos: 1) a pessoa que, ao tempo da ação ou da omissão, apresenta-se inteiramente incapaz de entender o caráter ilícito do fato ou de determinar-se de acordo com esse entendimento, quando decorrente das seguintes hipóteses: - por doença mental; - desenvolvimento mental incompleto ou retardado; - embriaguez completa, desde que proveniente de caso fortuito ou força maior; 2) os menores de 18 (dezoito) anos. Portanto, a menoridade penal, prevista no art. 27 do Código Penal, mostra-se como uma das causas excludentes da imputabilidade ou de inimputabilidade.

       Conforme ensinamento de Damásio E. de Jesus , a imputabilidade penal apresenta-se como o conjunto de condições pessoais que propiciam ao agente a capacidade para lhe ser juridicamente imputada a prática de um fato punível. Assim, imputável é o sujeito com desenvolvimento mental normal, com capacidade de entender o caráter ilícito do fato e determinar-se de acordo com esse entendimento.

       Por sua vez, as hipóteses que excluem a imputabilidade, já referidas acima, são denominadas de causas de inimputabilidade.

       Relevante registrar que se excluindo a imputabilidade, não haverá culpabilidade e, por conseqüência, não há falar em aplicação de pena.

       Com tais esclarecimentos, tem-se que, ao falar de imputabilidade, fala-se da possibilidade de alguém poder ser processado criminalmente pela realização de um delito e de ser punido por tal fato. Com efeito, como a menoridade é uma causa de inimputabilidade, a norma apropriada para regular a questão é o Código Penal.

       Apesar de tal afirmação, em nosso ordenamento jurídico outras normas também tratam da menoridade penal, como o Estatuto da Criança e do Adolescente (Lei nº 8.069/90), em seu art. 104. Importante lembrar que tal legislação, em seu art. 103, regula que as condutas previstas como crime ou contravenção, quando praticadas por menores de 18 (dezoito) anos, são consideradas ato infracional. Ainda, em seu art. 112, incisos I a VII, prevê as seguintes medidas a serem aplicadas:

       Art. 112. Verificada a prática de ato infracional, a autoridade competente poderá aplicar ao adolescente as seguintes medidas: I - advertência; II - obrigação de reparar o dano; III - prestação de serviços à comunidade; IV - liberdade assistida; V - inserção em regime de semi-liberdade; VI - internação em estabelecimento educacional; VII - qualquer uma das previstas no art. 101, I a VI.

       Além disso, a Constituição Federal de 1988, em seu art. 228, também trata da menoridade penal, prescrevendo que (. . .) são penalmente inimputáveis os menores de dezoito anos, (. . .).

       Aliás, exatamente por também ser prevista em nossa Carta Magna é que se discute a possibilidade de ser reduzida a menoridade penal. Aqueles que defendem sua impossibilidade sustentam que se apresenta compreendida nos direitos e garantias individuais, uma das cláusulas pétreas (art. 60, § 4º, incisos I a IV, da CF/88), por isso seria vedada sua alteração por emenda constitucional. Tal tese decorreria do raciocínio de que a inimputabilidade do menor de 18 (dezoito) anos envolve a liberdade do indivíduo.

       Apesar de respeitada a posição, há fatores que afastam a caracterização de tal tema como cláusula pétrea.

       É certo afirmar que os direitos e garantias individuais não se encontram regulados apenas no art. 5º e incisos, da CF/88, mas também estão previstos em outras normas constitucionais, como, por exemplo, as constantes no art. 150, inciso III, alínea “b” (princípio tributário da anterioridade de exercício), e no art. 195, § 6° (princípio da anterioridade nonagesimal para as contribuições sociais), ambos da Carta Magna, conforme expressado em julgamentos pelo Supremo Tribunal Federal, mais especificamente na ADI 939/DF , que teve como relator o Min. Sydney Sanches, e na ADI Nº 2666/DF , que teve como relatora a Min.ª Ellen Gracie.

       Relevante fazer uma distinção entre direitos e garantias: direitos são expressos em normas de cunho material, ou seja, em disposições que declaram e conferem existência legal à faculdade do indivíduo de realizar ou deixar de realizar um ato, de exigir de outrem a prática ou abstenção de certos atos, etc.; por sua vez, as garantias são expressas em disposições instrumentais, em outras palavras, servem para proteger a efetiva aplicação dos direitos. Prestam-se, como exemplo, o direito à liberdade de locomoção, que tem como instrumento de proteção o habeas corpus (garantia prevista no art. 5º, inciso LXVIII, da CF/88), bem como o direito ao conhecimento de informações relativas ao indivíduo existentes em registros ou bancos de dados de entidades governamentais ou de caráter público, que tem como meio de proteção o habeas data (garantia prevista no art. 5º, inciso LXXII, alínea “a”, da CF/88).

       Assim, a menoridade penal, caso compreendida nos direitos e garantias individuais, seria uma garantia, por assegurar ao menor de 18 (dezoito) anos que não poderá ser processado criminalmente por eventual prática de um delito, ou melhor, de ato infracional.

       Mas hipótese que assegure alguém de não ser punido, tal situação pode ser entendida somente como garantia constitucional ou pode também ser compreendida como fator de impunidade?

       Importante lembrar que o menor de 18 (dezoito) anos é considerado inimputável porque se presume não ter capacidade de entender o caráter ilícito do fato e determinar-se de acordo com esse entendimento.

       A fixação da idade de 18 (dezoito) anos para a menoridade penal não é um fim em si mesmo, mas decorre da conclusão acima descrita. Assim, pode-se questionar se esse fator é imutável? Será que todas as mudanças ocorridas na sociedade, como tecnológica, de valores, de comportamentos, dentre outras, não afetaram no desenvolvimento da maturidade do ser humano? Não se observa mudanças no comportamento dos adolescentes nos dias de hoje, em comparação com os jovens do início do século XX?

       As respostas a essas indagações levam a concluir que, na realidade, a fixação da idade de 18 (dezoito) anos para que se presuma que a pessoa passe a ter capacidade de entender o caráter ilícito do fato e determinar-se de acordo com esse entendimento não se apresenta como fator imutável.

       Portanto, a fixação da idade de 18 (dezoito) anos para a menoridade penal não pode ser entendida como matéria compreendida como cláusula pétrea, por dois motivos: primeiro, porque decorre de uma presunção da existência de outros fatores; segundo, porque não se apresenta como fator imutável.

       Ainda, importante o registro que há matérias tidas por constitucionais por estarem previstas na Constituição, mas que, pelo seu conteúdo, deveriam ser reguladas apenas na legislação infraconstitucional, por isso denominadas tais hipóteses de normas formalmente constitucionais. Por sua vez, há matérias que, pelo seu conteúdo, devem ser reguladas no texto constitucional, por isso intituladas de normas materialmente constitucionais.

       Assim, considerando que, conforme já referido, a norma apropriada para regular a imputabilidade e as causas que a excluem é o Código Penal, tem-se que o art. 228 da CF/88, que trata da menoridade penal, apresenta-se como normal formalmente constitucional. Por mais essa razão, não se mostra adequado considerar esse tema como compreendido dentre as matérias arroladas como cláusulas pétreas.

       Portanto, tem-se ser possível a alteração da menoridade penal, mas, como há previsão em norma constitucional, não se pode alterar por norma infraconstitucional, é necessário que a mudança ocorra mediante emenda constitucional. Claro que, apesar de tal possibilidade, essa mudança não significa, por si, que trará redução na criminalidade, pois a solução para esse problema não se limita à redução da menoridade penal. 

Este conteúdo foi redigido e finalizado em 14/07/2008, segundo o seu autor e responsável.
Representa, única e exclusivamente, a opinião particular do próprio autor. Ele é o único responsável pelas informações acima dispostas e publicadas, análises e críticas assumidas, informações pesquisadas, incluídas e citações realizadas.


Evandro Luís  Falcão 
Membro desde abril de 2006
Servidor Público Federal - Analista Judiciário do TRF-4ª Região, Graduado em Direito pela PUC-RS, em 1993. Especialista em Direito Público pelo Instituto de Desenvolvimento Cultural - IDC. *
* segundo o próprio membro em 28 de abril de 2006


Leia mais artigos do mesmo autor(a): Evandro Falcão
» Roubo Próprio, Impróprio E Concurso De Tentativa De Furto Com Ameaça -07/11/2008 18:26:57
» Habeas Vita Ou Habeas Salus -08/09/2008 16:35:13
» Alienação Antecipada de Bens em Procedimento Penal -13/02/2008 17:16:54
» Competência na Execução da Pena -04/09/2007 18:50:42
» Direito à vida, sua importância e consectários -23/06/2006 11:56:44
» Regime prisional e substituição, aplicação para os crimes hediondos e equiparados -28/04/2006 19:48:30
Leia mais artigos sobre a mesma matéria: Direito Penal
» Sobre o chamado "princípio da insignificância" -19/12/2013 20:56:55
» Crime de Apropriação Indébita Previdenciária - Inexigibilidade de Conduta Diversa -08/04/2009 16:08:13
» O Crime de "Lavagem de dinheiro" -08/04/2009 15:48:34
» Novas hipóteses de Legítima Defesa na Sociedade de Risco -14/01/2009 17:07:42
» Assédio Moral É Crime? -17/12/2008 22:37:18
» Roubo Próprio, Impróprio E Concurso De Tentativa De Furto Com Ameaça -07/11/2008 18:26:57
» Ampla defesa e suas expressões constitucionais -08/07/2008 15:34:07
» Anotações ao princípio da legalidade -29/05/2008 13:37:45
» A Segurança Pública Desmembrada -25/05/2008 19:57:40
814 visitantes leram este conteúdo até o momento


    Nenhum comentário a respeito, até o momento.






Deixe sua opinião:
Por favor, desligue o CAPS-LOCK.

PESQUISA
DIGITE A PALAVRA:


ESCOLHA EM QUE CAMPO PESQUISAR:

Todas as palavras
Expressão exata

Publicidade  Anuncie aqui

ARTIGOS 
ATUALIDADES
Breves apontamentos sobre a Homofobia
Camila Andrade
DIREITO CONSTITUCIONAL
A PRF não é Polícia
Aristides Medeiros
DIREITO PENAL
Sobre o chamado "princípio da insignificância"
Aristides Medeiros
DIREITO E SAÚDE
Médicos: Receitas com caligrafia ilegível
Aristides Medeiros
DIREITO CONSTITUCIONAL
Breves considerações sobre o Direito de Recusa a fazer prova contra si mesmo
Aristides Medeiros
DIREITO TRIBUTÁRIO
Responsabilidade Tributária Do Sócio De Sociedade Empresária Limitada
Jéssica Martini
DIREITO CIVIL
Direito De Família E Alienação Parental
Gisele Leite
DIREITO PROCESSUAL PENAL
Execução da Reparação Civil fundada em sentença condenatória pelo próprio Juízo Criminal
Vinicius Conrado
FILOSOFIA
Natureza Humana, Livre-arbítrio E Mundo Contemporâneo
Gisele Leite
DIREITO PREVIDENCIÁRIO
Mudanças na Aposentadoria. Projeto de Lei 3299/2008.
Leandro De Almeida
Adicionar RSS de Artigos
 
Site pessoal de:  MATEUS MATOS
Editoria:  MATEUS MATOS
Sistema desenvolvido por:   MATEUS MATOS

Parceria? Anunciar? Política de Privacidade Copyright 1996 - 2017 O Direito © Todos os direitos reservados a Mateus Matos. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Exceto o conteúdo publicado pelos Membros, já que estes têm responsabilidade pelas suas publicações bem como autoridade para permitir ou não a sua publicação

Ano 19 - De junho/2015     13.0.02 12/04/2012