Adicionar RSS




Há    visitantes  além dos   membros online no site neste momento booked.net booked.net booked.net


   Adicionar RSS de Decisões & Notícias

Decisões & Notícias

 
FILTROS
Direito e Educação
Justiça Federal nega pedido do MPF para adiar provas do Enem
|Escolas, Universidades e Cursos



Publicado em 04/11/2016

        BRASÍLIA, DF - A Justiça Federal no Ceará indeferiu o pedido do procurador da República, Oscar Costa Filho, do Ministério Público Federal (MPF) no Ceará, de adiar o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) para todos os candidatos do país. Com a decisão da Justiça, a prova está mantida para este final de semana (5 e 6 de novembro). O procurador pediu o adiamento do exame para todos os candidatos após o Ministério da Educação (MEC) adiar a prova de cerca de 191 mil candidatos que fariam o exame em escolas, universidades e institutos federais ocupados por estudantes em protesto a medidas do governo federal. O exame para esses candidatos foi adiado para os dias 3 e 4 de dezembro.

       O procurador argumentou que há prejuízo à isonomia do exame, uma vez que seriam aplicadas provas e temas de redação diferentes para aqueles que forem fazer a prova apenas em dezembro. A Justiça, no entanto, entendeu que "apesar da diversidade de temas que inafastavelmente ocorrerá com a aplicação de provas de redação distintas, verifica-se que a garantia da isonomia decorre dos critérios de correção previamente estabelecidos, em que há ênfase na avaliação do domínio da língua e de outras competências que não têm "o tema" como ponto central".

       O MPF chegou a pedir, como alternativa, que a prova seja mantida, mas que não seja válida a prova de redação até "o julgamento de mérito da demanda, assegurando assim a “igualdade de partes” e a reversibilidade dos efeitos da decisão". A alternativa seria tomar medidas para assegurar que todos os candidatos submetam-se à mesma prova de redação. O pedido alternativo foi também negado.

       Em defesa da manutenção do Enem, a Advocacia-Geral da União (AGU) argumentou que o adiamento nacional custaria R$ 776 milhões aos cofres públicos. Segundo o MEC, o adiamento de parte dos candidatos custará cerca de R$ 12 milhões.

       De acordo com a AGU, como um número elevado de provas teria que ser corrigido em um curto período de tempo, o adiamento certamente também prejudicaria o acesso dos estudantes ao ensino superior por meio do Sistema de Seleção Unificada (Sisu), bem como o cronograma do ano letivo das universidades que utilizam o Enem.

       Segundo a AGU, o Enem normalmente já é composto por duas provas aplicadas em datas diferentes. Além do exame regular, a avaliação é feita em um segundo momento pelos estudantes privados de liberdade e aqueles que foram impedidos de participar do certame por desastres naturais, como aconteceu no ano passado em dois municípios de Santa Catarina.

       A AGU também defendeu que, embora com temas diferentes, a isonomia das redações está garantida na correção. O resultado da avaliação é definido com base em cinco competências expressas na matriz do Enem, cada uma, avaliada por quatro critérios correspondentes aos conceitos: insuficiente, regular, bom e excelente. Os pontos observados consideram, por exemplo, o domínio da modalidade escrita, a compreensão da proposta da redação e a proposta de intervenção ao problema abordado respeitando os direitos humanos.

       

Fonte:   ABr - Agência Brasil

Revisão: Mateus Matos

Leia mais sobre o mesmo ramo de atividade: Escolas, Universidades e Cursos
» MPF diz não haver razão para impedir curso sobre ‘Golpe de 2016’ na UFPB -23/05/2018
» MPF defende autonomia universitária na definição de conteúdos de disciplinas acadêmicas -04/05/2018
» Câmara rejeita PEC que libera cobrança de pós-gradução lato sensu -29/03/2017
» Universidade Estadual terá de nomear cadidatos aprovados em cadastro reserva -30/01/2017
» Faculdade é condenada por demora na entrega de diploma -19/08/2016
» Estudante com bolsa do PROUNI garante matrícula após negativa da faculdade por débito anterior -04/08/2016
» Estado é obrigado a contratar professor de braile para alunos com deficiência visual -29/07/2016
» Demora na entrega de diploma enseja danos morais -18/07/2016
» Mãe de aluna agredida dentro de escola será indenizada -15/07/2016
Leia mais sobre a mesma matéria: Direito e Educação
» Estudante com bolsa do PROUNI garante matrícula após negativa da faculdade por débito anterior -04/08/2016
» Estado é obrigado a contratar professor de braile para alunos com deficiência visual -29/07/2016
» Demora na entrega de diploma enseja danos morais -18/07/2016
» Tribunal condena aluno por ofensa à professora em e-mail -25/04/2016
» Na cobrança de mensalidade escolar, juros incidem a partir do vencimento da parcela -24/09/2015
» Falta de credenciamento do mestrado obriga faculdade a indenizar aluna -08/06/2015
» Associação cultural deve ser considerada entidade educacional para fins de isenção -26/05/2015
» Justiça suspende prorrogação do prazo para novos contratos do Fies -13/05/2015
» MEC recorre de decisão judicial que determina acesso imediato às redações do Enem -04/01/2013
311 visitantes leram este conteúdo até o momento


    Nenhum comentário a respeito, até o momento.






Deixe sua opinião:
Por favor, desligue o CAPS-LOCK.



PESQUISA
DIGITE A PALAVRA:


ESCOLHA EM QUE CAMPO PESQUISAR:


Todas as palavras
Expressão exata