Adicionar RSS




Há    visitantes  além dos   membros online no site neste momento booked.net booked.net booked.net


   Adicionar RSS de Decisões & Notícias

Decisões & Notícias

 
FILTROS
Direito Tributário
Isenção de IR em ganho de capital na venda de imóvel vale para quitar segundo bem
|Imposto de Renda |Construção Civil



Publicado em 25/11/2016

        BRASÍLIA, DF - A isenção do Imposto de Renda (IR) sobre ganho de capital nas operações de alienação de imóvel, prevista no artigo 39 da Lei 11.196/05, também é válida para os casos de venda de imóvel residencial com o objetivo de quitar, total ou parcialmente, débito remanescente de aquisição a prazo ou à prestação de imóvel residencial já possuído pelo contribuinte.

       Com essa decisão, a Segunda Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) considerou ilegal a restrição estabelecida no artigo 2º, parágrafo 11, I, da Instrução Normativa 599/05, da Receita Federal, que excluía da isenção fiscal a possibilidade de o contribuinte utilizar o ganho de capital para quitar financiamento de imóvel já adquirido.

       O entendimento da Segunda Turma, especializada em direito público, foi formado após analisar um recurso interposto pela Fazenda Nacional contra decisão favorável obtida por um contribuinte de Santa Catarina na Justiça Federal.

       Ganho

       Em março de 2013, o contribuinte vendeu por R$ 285 mil um apartamento em Foz do Iguaçu (PR), comprado por R$ 190 mil, e obteve assim um ganho de capital de R$ 95 mil. Em seguida, utilizou esse montante na quitação das obrigações assumidas com a compra de um apartamento em Itajaí (SC), acreditando que não teria de pagar imposto sobre o ganho de capital.

       Como a Receita Federal tinha entendimento de que essa operação não dava direito à isenção, o contribuinte ajuizou mandado de segurança na Justiça Federal e obteve decisão favorável. A Receita recorreu então ao STJ. O recurso foi relatado pelo ministro Herman Benjamin, da Segunda Turma.

       Benjamin aceitou os argumentos apresentados pela Receita Federal, mas a maioria da turma acabou seguindo a divergência aberta pelo ministro Mauro Campbell Marques, que apresentou voto-vista favorável ao contribuinte. Para ele, a restrição imposta pela instrução normativa “torna a aplicação da norma quase impossível”.

       Sem liquidez

       No voto divergente, o ministro salientou que a grande maioria das aquisições imobiliárias é feita mediante financiamento de longo prazo, porque a regra é que a pessoa física não tem liquidez para adquirir um imóvel residencial à vista.

       “Outro ponto de relevo é que a pessoa física geralmente adquire o segundo imóvel ainda ‘na planta’ (em construção), o que dificulta a alienação anterior do primeiro imóvel, já que é necessário ter onde morar. A regra, então, é que a aquisição do segundo imóvel se dê antes da alienação do primeiro imóvel”, afirmou o ministro.

       Segundo ele, a finalidade da norma é alcançada quando se permite que o produto da venda do imóvel residencial anterior seja empregado, no prazo de 180 dias, na aquisição de outro imóvel, “compreendendo dentro desse conceito de aquisição também a quitação do débito remanescente do imóvel já adquirido ou de parcelas do financiamento em curso firmado anteriormente”.

       Círculo virtuoso

       Mauro Campbell Marques ressaltou que, se o objetivo da norma é dinamizar a economia, “indubitavelmente, o aumento da liquidez no mercado proporcionada pela isenção do capital empregado no pagamento de contratos a prazo e financiamentos anteriores estimula os negócios de todos os atores desse nicho: compradores, vendedores, construtores e instituições financeiras”.

       “Não se pode olvidar que o pagamento, pelas pessoas físicas, dos financiamentos anteriores em curso às instituições financeiras permite que estas tenham capital para emprestar às construtoras, a fim de serem construídas as novas unidades habitacionais, e também permite que tenham capital para emprestar a novos adquirentes de imóveis. Fomenta-se, assim, um círculo virtuoso. Esse o objetivo da norma”, justificou.

Fonte:   STJ - Superior Tribunal de Justiça

Revisão: Mateus Matos

Leia mais sobre o mesmo ramo de atividade: Construção Civil
» Imobiliária terá de restituir valor de parcelas pagas em financiamento de lote -02/09/2016
» Comprador de imóvel tem direito à indenização e restituição de parcelas pagas em caso de atraso na entrega -02/08/2016
» Construtoras são condenadas a indenizar por publicidade enganosa em contrato imobiliário -23/06/2016
» Consumidor lesado em compra de imóvel tem indenização por danos morais garantida, mas não recebe abatimento no valor pago -16/03/2016
» STJ determina devolução de 90% do valor de imóvel a comprador mesmo que contrato determine menos -18/01/2016
» Consumidor tem 90 dias após a constatação do vício em ação cautelar para obter reparação -23/11/2015
» Compradora desistente terá de pagar taxa de ocupação por todo o tempo em que ficou no imóvel -13/10/2015
» Registros em cartório durante incorporação imobiliária devem ser cobrados como ato único -25/06/2015
» Direito de quitar dívida antes da arrematação não pode premiar inadimplência de má-fé -24/06/2015
Leia mais sobre o mesmo tema: Imposto de Renda
» Câmara aprova MP que reduz IR sobre remessas de dinheiro ao exterior. De 25% pra 6% -16/06/2016
» Senado aprova MP que eleva imposto sobre ganhos de capital e libera pauta -24/02/2016
» STF garante ao Fisco acesso a dados bancários dos contribuintes sem necessidade de autorização judicial -24/02/2016
» STF decide que Receita não pode sonegar informações ao contribuinte -18/06/2015
» Prescrição para pedir devolução de IR indevido conta do pagamento após ajuste anual -01/06/2015
» TRF decide que incide IR mensal sobre renda recebida de uma só vez em processo judicial por pessoa física -27/05/2015
» Declaração do Imposto de Renda começa nesta segunda-feira, dia 2 de março -01/03/2015
» Não incide IR sobre indenização a demitido da Petrobras por greve -22/03/2014
» Dependente com até 32 anos poderá ser incluído no IR -20/08/2013
Leia mais sobre a mesma matéria: Direito Tributário
» STJ ratifica isenção de IR sobre lucro de imóvel vendido para quitar outro -11/06/2018
» Senado aprova urgência para projeto que isenta diesel de PIS/Cofins -29/05/2018
» Micro e pequenas empresas podem aderir ao Refis até 9 de julho -20/05/2018
» Parcelamento de dívidas de micro e pequenas empresas é regulamentado -23/04/2018
» STF decide excluir ICMS da base de cálculo de PIS e Cofins -16/03/2017
» Senado aprova projeto de repatriação sem permitr adesão a parentes de políticos -23/11/2016
» Sancionada nova lei do Supersimples e lei do salão parceiro -27/10/2016
» Admitido desmembramento de crédito tributário para cobrança de valor incontroverso -22/08/2016
» Senado conclui votação do Supersimples -29/06/2016
453 visitantes leram este conteúdo até o momento


    Nenhum comentário a respeito, até o momento.






Deixe sua opinião:
Por favor, desligue o CAPS-LOCK.



PESQUISA
DIGITE A PALAVRA:


ESCOLHA EM QUE CAMPO PESQUISAR:


Todas as palavras
Expressão exata