Adicionar RSS




Há    visitantes  além dos   membros online no site neste momento booked.net booked.net booked.net


   Adicionar RSS de Decisões & Notícias

Decisões & Notícias

 
FILTROS
Direito de Família
Guarda compartilhada de menor é negada em caso de desentendimento dos pais
|Divórcio & Separação



Publicado em 14/07/2016

        BRASÍLIA, DF - Acompanhando o voto do relator, ministro João Otávio de Noronha, a Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) negou pedido de um pai que buscava o compartilhamento da guarda da filha de quatro anos de idade. O recurso especial foi rejeitado por total falta de consenso entre os genitores.

       No pedido, que já havia sido rejeitado pelo Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG), o pai sustentou que a harmonia entre o casal não pode ser pressuposto para a concessão da guarda compartilhada e que a negativa fere seu direito de participar da vida da menor em igualdade de condições com a mãe.

       Ausência de diálogo

       A sentença da Justiça mineira concluiu que ambos os pais têm condições de exercer suas funções, mas não em conjunto. O julgado estabeleceu que os dois não demonstram possibilidade de diálogo, cooperação e responsabilidade conjunta.

       Além disso, observou que o casal não conseguiu separar as questões relativas ao relacionamento do exercício da responsabilidade parental. Em consequência, o juiz negou o compartilhamento da guarda, fixou alimentos e regulamentou o regime de visitas.

       Para o relator, a controvérsia é relevante, pois envolve a possibilidade de guarda compartilhada de filho, mesmo havendo dissenso entre os genitores. O entendimento dominante indica que o compartilhamento deve ser aplicado em todos os casos, cabendo ao Judiciário a imposição das atribuições de cada um.

       Citando integralmente o histórico precedente relatado pela ministra Nancy Andrighi, no qual o STJ firmou o entendimento de que a guarda compartilhada é a regra e a custódia física conjunta sua expressão, João Otávio de Noronha enfatizou que existem situações que fogem à doutrina e à jurisprudência, demandando alternativas de solução.

       Interesse do menor

       O ministro reconheceu que não existe dúvida de que a regra deve ser o compartilhamento da guarda por atender melhor aos interesses do menor e dos próprios genitores, já que ambos permanecem presentes e influentes na vida cotidiana dos filhos.

       Entretanto, no caso em questão, está clara a inviabilidade de seu exercício diante da impossibilidade de os pais chegarem a um acordo sobre quaisquer questões ou pensarem além de seus próprios interesses.

       “Entendo que diante de tais fatos, impor aos pais a guarda compartilhada apenas porque atualmente se tem entendido que esse é o melhor caminho, quando o caso concreto traz informações de que os pais não têm maturidade para o exercício de tal compartilhamento, seria impor à criança a absorção dos conflitos que daí, com certeza, adviriam. E isso, longe de atender seus interesses, põe em risco seu desenvolvimento psicossocial”, ressaltou o relator em seu voto.

       O ministro reiterou que o maior interesse do compartilhamento da guarda é o bem-estar da menor, que deve encontrar na figura dos pais um ponto de apoio e equilíbrio para seu desenvolvimento intelectual, moral e espiritual.

       “Assim, considerando as peculiaridades contidas no presente feito, entendo que não posso contrariar tais conclusões para adequar a vida de pessoas a um entendimento doutrinário”, concluiu o relator. A decisão foi unânime.

Fonte:   STJ - Superior Tribunal de Justiça

Revisão: Mateus Matos

Leia mais sobre o mesmo tema: Divórcio & Separação
» Pacto antenupcial é solenidade indispensável para formalizar escolha de regime matrimonial diverso do legal -10/05/2018
» TJMG reconhece a mulher direito de assinar nome de solteira -26/01/2018
» Justiça brasileira define partilha de dinheiro depositado no exterior em caso de divórcio -24/11/2016
» Guarda compartilhada de filhos está sujeita também a fatores geográficos -07/07/2016
» Falta de diálogo entre ex-cônjuges não inviabiliza guarda compartilhada -01/04/2016
» STJ considera legal divórcio feito sem audiência de conciliação -16/03/2016
» Direito de convivência familiar não se sobrepõe ao interesse maior de criança e jovem -09/12/2015
» É possível doação total dos bens quando o doador tiver fonte de renda periódica para sua subsistência -30/11/2015
» Revelia na ação de divórcio não autoriza exclusão de sobrenome de casada -16/06/2015
Leia mais sobre a mesma matéria: Direito de Família
» Pacto antenupcial é solenidade indispensável para formalizar escolha de regime matrimonial diverso do legal -10/05/2018
» Reconhecimento de multiparentalidade está condicionado ao interesse da criança -25/04/2018
» STJ decide que é possível prisão civil por pensão alimentícia devida a ex-cônjuge -20/04/2018
» TJMG reconhece a mulher direito de assinar nome de solteira -26/01/2018
» Guarda unilateral não impede ampliação do direito de visitas em prol da criança -16/09/2017
» STJ equipara Casamento a União Estável em caso de herança -23/08/2017
» Homem preso apesar de ter pagado pensão alimentícia é indenizado -03/03/2017
» Ministro do STJ determina retorno de criança à família substituta -30/01/2017
» STF decide que pais biológicos e afetivos têm as mesmas obrigações com filhos -21/09/2016
705 visitantes leram este conteúdo até o momento


    Nenhum comentário a respeito, até o momento.






Deixe sua opinião:
Por favor, desligue o CAPS-LOCK.



PESQUISA
DIGITE A PALAVRA:


ESCOLHA EM QUE CAMPO PESQUISAR:


Todas as palavras
Expressão exata