Adicionar RSS




Há    visitantes  além dos   membros online no site neste momento booked.net booked.net booked.net


   Adicionar RSS de Decisões & Notícias

Decisões & Notícias

 
FILTROS
Direito Constitucional
Câmara aprova projeto que cria regras para aplicativos de transporte como Uber
|Transportes Terrestres |Uber



Publicado em 05/04/2017

        BRASÍLIA, DF - O plenário da Câmara dos Deputados aprovou hoje (4) o Projeto de Lei 5587/16, que trata da regulamentação de serviços de transporte remunerado individual por meio de aplicativos, como o Uber e o Cabify. O texto, que agora segue para o Senado, determina uma série de exigências para que esse tipo de serviço possa funcionar, incluindo uma autorização prévia das prefeituras.

       O parecer, aprovado em votação simbólica, alterou o texto do deputado Carlos Zarattini (PT-SP). Em seu lugar, os deputados aprovaram o substitutivo do deputado Daniel Coelho (PSDB-PE). “Sabemos que algumas cidades brasileiras já criaram legislação local que conseguiu dar uma convivência pacífica entre serviço de táxis e aplicativos, caso de Brasília. O debate precisa focar no usuário e na possibilidade de escolha, e na geração de emprego”, disse Daniel Coelho.

       Entretanto, os deputados aprovaram por 276 votos favoráveis, 182 contra e cinco abstenções, um destaque que retirou do texto apresentado a expressão "privado", logo após "transporte remunerado individual". Com isso, os serviços só serão legalizados se receberem uma autorização das prefeituras, como já acontece com os táxis. A mudança foi festejada por taxistas que acompanharam a votação das galerias na Casa. "O intuito de quem fez a emenda é acabar com o transporte privado. O texto passa a ser um 'frankenstein', por que ele foi construído para ser um transporte privado", disse Coelho.

       De acordo com o relator do substitutivo em plenário, na prática, a emenda determina que o serviço por aplicativos não poderá funcionar enquanto não houver regulamentação municipal. "A atividade de natureza privada foi suprimida e aí fica público. Você inverte e coloca a responsabilidade de o poder público autorizar. O serviço público é inerente à regulamentação", apontou Coelho.

       Zarattini criticou as alterações do substitutivo de Coelho e disse que a modalidade ficará sem uma regulamentação adequada. Um dos principais pontos defendidos pelo petista era a limitação da quantidade de veículos. Ele ainda tentou apresentar uma emenda com esse teor, mas o destaque não foi aceito pela Mesa Diretora por ter sido apresentado fora do prazo. Segundo Zarattini, a não limitação geraria uma sobrecarga de motoristas e uma precarização da renda. “O nosso objetivo com este projeto é garantir que uma modalidade de transporte que já se disseminou pelo país tenha algum tipo de regulamentação. Não é possível que se tenha um serviço de tal amplitude sendo que a autoridade municipal não pode fazer essa regulamentação”, disse.

       De acordo com a proposta, passa a ser responsabilidade dos municípios e do Distrito Federal a regulamentação desse tipo de serviço. Eles também ficarão responsáveis pela fiscalização, a cobrança dos tributos e a emissão de Certificado de Registro e Licenciamento do Veículo (CRLV) de prestação do serviço. Será exercida contratação de seguro de acidentes pessoais de passageiros e do DPVAT para o veículo.

       Pelo texto, o motorista terá que se inscrever no INSS como contribuinte individual. A proposta exige que o serviço deverá ser prestado por motoristas com habilitação tipo “B” ou superior “que contenha a informação de que exerce atividade remunerada exercido”. Os profissionais também deverão estar cadastrados nas empresas de aplicativos ou na plataforma de comunicação.

       O deputado Zarattini propôs uma emenda, aprovada por 215 votos a favor, 163 contra e quatro abstenções, que limita a idade máxima para os veículos e determina a necessidade de autorização específica emitida pelo poder público municipal quanto ao local da prestação do serviço, além de certificado de registro de veículo em seu nome e placa vermelha.

       Uber

       Em nota, a Uber defendeu que o projeto de lei "propõe uma lei retrógrada que não regula a Uber no Brasil, mas tenta transformá-la em táxi, proibindo então este modelo de mobilidade". A empresa disse que aposta na continuidade do debate, agora no Senado. "O PL segue agora para o Senado Federal, onde o debate sobre a tecnologia deve continuar, garantindo que seja ouvida a voz de milhões de pessoas no Brasil que desejam ter seu direito de escolha assegurado".

Fonte:   ABr - Agência Brasil

Revisão: Mateus Matos

Leia mais sobre o mesmo caso: Uber
» Justiça do Rio nega recurso de sindicato dos taxistas contra o Uber -30/03/2017
» Juiz da JT de Minas reconhece vínculo entre Uber e motorista que atendia pelo aplicativo -14/02/2017
» Apesar da nova lei, decisão do TJRJ mantém funcionamento do Uber -29/11/2016
» Mantida operação do Uber em Porto Alegre -27/06/2016
» Prefeito Fernando Haddad regulamenta uso do Uber em São Paulo -10/05/2016
» MP-SP: Lei que veta aplicativos como Uber em SP é inconstitucional -13/04/2016
» Justiça do Rio decide que serviço de transporte pelo Uber não pode ser proibido -05/04/2016
» Justiça proíbe prefeitura de São Paulo de restringir uso do Uber -04/02/2016
» Justiça concede liminar que autoriza funcionamento da Uber no Rio -09/10/2015
Leia mais sobre o mesmo ramo de atividade: Transportes Terrestres
» Entra em vigor lei que aumenta pena para motorista embriagado -19/04/2018
» Justiça do Rio nega recurso de sindicato dos taxistas contra o Uber -30/03/2017
» Juiz da JT de Minas reconhece vínculo entre Uber e motorista que atendia pelo aplicativo -14/02/2017
» Proprietário de veículo emprestado deve indenizar vítima de acidente -15/12/2016
» Justiça do Rio dá liminar para manter Bilhete Único Intermunicipal -05/12/2016
» Apesar da nova lei, decisão do TJRJ mantém funcionamento do Uber -29/11/2016
» Empresas de ônibus são condenadas por danos a passageiros -18/07/2016
» Concessionárias de rodovias indenizam motoristas que chocaram-se com animais na pista -15/07/2016
» Tribunal manda CPTM reintegrar ferroviário com alcoolismo por considerar dispensa discriminatória -13/07/2016
Leia mais sobre a mesma matéria: Direito Constitucional
» Candidato negro aprovado na ampla concorrência não preenche vaga de cotista -09/05/2018
» MPF defende autonomia universitária na definição de conteúdos de disciplinas acadêmicas -04/05/2018
» STF aprova restrição do foro privilegiado para deputados e senadores -04/05/2018
» Ministério Público tem legitimidade para pleitear remédios e tratamentos para beneficiários individualizados -03/05/2018
» STF julga constitucional resolução sobre utilização das interceptações telefônicas pelos membros do MP -26/04/2018
» Liminar suspende lei paulista sobre presença de farmacêuticos no transporte de medicamentos -16/04/2018
» Em debate sobre intervenção, juristas defendem validade de mandados coletivos -13/04/2018
» STF nega habeas corpus preventivo ao ex-presidente Lula -05/04/2018
» STJ nega habeas corpus em favor do ex-presidente Lula -26/01/2018
454 visitantes leram este conteúdo até o momento


    Nenhum comentário a respeito, até o momento.






Deixe sua opinião:
Por favor, desligue o CAPS-LOCK.



PESQUISA
DIGITE A PALAVRA:


ESCOLHA EM QUE CAMPO PESQUISAR:


Todas as palavras
Expressão exata