Publicidade  Anuncie aqui

Há    visitantes  além dos   membros online no site neste momento

Siga O Direito no Facebook



Adicionar RSS




28/08/2015 - 06:25:04

CAPA
ARTIGOS
CONCURSOS & SELEÇÕES
DEBATES
DECISÕES & NOTÍCIAS
DICIONÁRIOS
EVENTOS & CURSOS
LEGISLAÇÃO
LIVROS: AVALIAÇÕES
OPINIÕES
PROVAS
SITES
TESES & PESQUISAS
VISITAS
 

 DECISÕES & NOTÍCIAS

   Adicionar RSS de Decisões & Notícias
 
Gostou deste site? Por que não ajudar a mantê-lo?
MATÉRIAS
Arbitragem
Atualidades
  - Economia
  - Governo
  - Política
Direito Administrativo
Direito Agrário
Direito Ambiental
Direito Civil
  - Direito Autoral
  - Direito das Coisas
  - Direito das Obrigações
  - Direito das Sucessões
  - Direito de Família
  - Direito do Consumidor
  - Direito Empresarial
  - Direito Falimentar
  - Direitos Reais
Direito Comercial
Direito Constitucional
Direito de Trânsito
Direito Desportivo
Direito do Trabalho
Direito e Educação
Direito e Religião
Direito e Saúde
Direito e Tecnologia
Direito Econômico e Financeiro
Direito Eleitoral
Direito Internacional
Direito Militar
Direito Penal
  - Execuções Penais
Direito Previdenciário
Direito Processual
  - Direito Processual Civil
  - Direito Processual Constitucional
  - Direito Processual do Trabalho
  - Direito Processual Penal
Direito Tributário
Direitos Humanos
Filosofia
Língua Portuguesa
Medicina Legal
Ministério Público
Poder Executivo
Poder Judiciário
Poder Legislativo
Teoria Geral do Direito
  - Direito Romano
  - História do Direito
  - Sociologia Jurídica
Direito do Consumidor
Justiça decide que crédito de celular pré-pago não pode expirar
|Telefonia móvel



Publicidade  Anuncie aqui
Publicado em 15/08/2013

        BRASÍLIA, DF - 5.ª Turma do TRF da 1.ª Região proibiu que as operadoras de telefonia móvel estabeleçam prazo de validade para créditos pré-pagos, em todo o território nacional. A decisão unânime resulta da apreciação de recurso interposto pelo Ministério Público Federal (MPF) contra sentença da 5.ª Vara Federal do Pará que, em ação civil pública movida pelo próprio MPF contra a Anatel e as operadoras Vivo, Oi, Amazônia Celular e Tim, entendeu que a restrição temporal de validade dos créditos de celulares pré-pagos não apresenta qualquer irregularidade.

       O MPF busca a nulidade, nos contratos firmados entre os usuários do serviço e as operadoras, das cláusulas que preveem a perda dos créditos adquiridos após a expiração de um decurso temporal ou condicionem a continuidade do serviço à aquisição de novos créditos. No entanto, o juízo de primeiro grau julgou improcedente o pedido.

       Em recurso ao Tribunal, o MPF sustentou que, além da manifesta afronta ao direito de propriedade e caracterização de enriquecimento ilícito por parte das operadoras, as referidas cláusulas contratuais são abusivas, pois implicam em indevido desequilíbrio na relação entre o consumidor/usuário e as operadoras que fornecem os serviços.

       Legislação – a Resolução Anatel n.º 316/2002 estabelece que, esgotado o prazo de validade, o serviço pode ser suspenso parcialmente, com bloqueio para chamadas originadas bem como para o recebimento de chamadas a cobrar, permitido o recebimento de chamadas que não importem em débitos para o usuário pelo prazo de, no mínimo, 30 dias. Vencido este prazo, o serviço poderá ser suspenso totalmente, com o bloqueio para o recebimento de chamadas pelo prazo de, no mínimo, 30 dias. Ao fim deste período, o contrato de prestação do serviço pode ser rescindido pela prestadora. No entanto, esta resolução foi, posteriormente, revogada pela Resolução Anatel n.º 477, de 07 de agosto de 2007, que estabelece que os créditos podem estar sujeitos a prazo de validade, devendo a prestadora oferecer, no mínimo, em suas lojas próprias, créditos com validade de 90 a 180 dias e, no caso de inserção de novos créditos antes do prazo previsto para rescisão do contrato, os créditos não utilizados e com prazo de validade expirado serão revalidados pelo mesmo prazo dos novos créditos adquiridos.

       Para o relator do processo na 5.ª Turma, desembargador federal Souza Prudente, o estabelecimento de prazos de validade para os créditos pré-pagos de celular configuram-se um manifesto confisco antecipado dos valores pagos pelo serviço público de telefonia, que é devido aos consumidores. “Afigura-se manifesta a abusividade da limitação temporal em destaque, posto que, além de afrontar os princípios da isonomia e da não discriminação entre os usuários do serviço público de telefonia, inserido no art. 3º, inciso III, da Lei nº. 9.472/97, na medida em que impõe ao usuário de menor poder aquisitivo discriminação injustificada e tratamento não isonômico em relação aos demais usuários desses serviços públicos de telefonia”, destacou.

       O magistrado ressaltou que as cláusulas limitantes também esbarram no Código de Defesa do Consumidor, cujo art. 39 veda ao fornecedor condicionar o fornecimento de produtos ou de serviços ao fornecimento de outro produto ou serviço, bem como, sem justa causa, a limites quantitativos. “A Anatel não pode nem deve extrapolar os limites da legislação de regência, como no caso, a possibilitar o enriquecimento ilícito das concessionárias de telefonia móvel. Também não me convencem os argumentos no sentido de que a relação contratual estabelecida entre a concessionária e os usuários teria natureza eminentemente privada e, por isso, a fixação de determinado prazo de validade para os créditos por eles adquiridos não estaria sujeita à expressa previsão legal”, completou Souza Prudente, pois o serviço de telefonia é, sem dúvida, serviço público essencial, concedido a essas concessionárias, para disponibilizá-lo a seus usuários, com eficiência, qualidade, sem qualquer discriminação, observando-se os princípios da razoabilidade, proporcionalidade e moralidade.

       O relator citou, ainda, jurisprudência do TRF da 5.ª Região que considerou abusiva a imposição de prazos para consumo dos créditos adquiridos pelos usuários (AG n.º 2003.05.00.016994-0, desembargador federal Paulo Roberto de Oliveira Lima, TRF5 - Segunda Turma, 18/05/2004), destacando, ainda, que a própria Resolução nº 03/98 –ANATEL ao definir o que seria utilização do serviço pré-pago referiu-se à efetiva utilização do serviço.

       Assim, o desembargador deu provimento ao recurso do MPF para reformar a sentença, declarando nulas as cláusulas contratuais e as normas da Anatel que estipulem a perda dos créditos adquiridos após a expiração de determinado decurso de tempo ou que condicionem a continuidade do serviço à aquisição de novos créditos. Proibiu, ainda, que as operadoras Vivo, Oi, Amazônia Celular e Tim subtraiam créditos ou imponham prazos de validade para sua utilização, devendo as empresas reativar, no prazo de 30 dias, o serviço de todos os usuários que o tiveram interrompido, restituindo a eles a exata quantia em saldo existente à época da suspensão dos créditos. A decisão deve ser cumprida em todo o território nacional, sob pena de multa diária no valor de R$ 50 mil reais.

Fonte:   TRF - 1a. Região

Leia mais sobre i mesmo ramo de atividade: Telefonia móvel
» TST rejeita alegação de prova falsa em processo de terceirizado contra a Oi -26/06/2015
» Suspensas ações coletivas contra corte de internet em celular pré-pago da Oi -25/06/2015
» JF decide Telefônica e Claro não podem interromper acesso à internet em MG -10/06/2015
» Ministério da Justiça notifica TIM por publicidade enganosa de Whatsapp Ilimitado -24/04/2015
» STF reafirma que estados não podem fazer leis sobre telefonia -08/02/2013
» Judiciário pode intervir na fixação de tarifas de interconexão fixo-celular -05/12/2012
» Telefônicas serão proibidas de cobrar duas ligações, caso a primeira seja interrompida -16/08/2012
» Próximos leilões de telefonia celular deverão incluir obrigações de cobertura em estradas -11/08/2012
» TIM é condenada a indenizar em quase R$ 25 mil por "derrubar" chamadas -08/08/2012
Leia mais sobre a mesma matéria: Direito do Consumidor
» Divulgação de promoções sem preço nem sempre configura propaganda enganosa -15/07/2015
» Concessionária de veículos terá de devolver em dobro valor de frete cobrado a mais -29/06/2015
» Suspensas ações coletivas contra corte de internet em celular pré-pago da Oi -25/06/2015
» Empresa de eventos é condenada por cancelamento de formatura -24/06/2015
» Plano de saúde é condenado por negar cobertura de tratamento de psicoterapia -24/06/2015
» Plano de saúde é condenado a prestar home care mesmo sem previsão contratual -22/06/2015
» Veto à portabilidade de crédito consignado é a principal queixa contra bancos -15/06/2015
» Juiz condena Consórcio Maracanã a indenizar torcedor impedido de assistir jogo -12/06/2015
» JF decide Telefônica e Claro não podem interromper acesso à internet em MG -10/06/2015

1442 visitantes leram este conteúdo até o momento


    Nenhum comentário a respeito, até o momento.






Deixe sua opinião:
Por favor, desligue o CAPS-LOCK.

RAMO DE ATIVIDADE
Bancos & Financeiras
Cartão de Crédito
Comércio varejista
Concessionárias de Água
Concessionárias de Luz & Energia
Construção Civil
Hotelaria & Agências de Turismo
Imprensa, TV & Rádio
Internet & Redes Sociais
Petróleo & Gás
Planos de Saúde & Hospitais
Seguros & Seguradoras
Telefonia fixa, TV por assinatura
Telefonia móvel
Trabalho doméstico
Transportes Aéreos
Transportes Terrestres
TEMAS
Aborto
Assédio Moral
Concursos & Exames
Condomínio
Cotas Raciais
CPI & CPMI
Crime Organizado
Dano Moral
Discriminação Racial, de Sexo, Religião & de Minorias
Divórcio & Separação
Eleições
Entorpecentes ilícitos
Greve
Honorários Advocatícios
Impeachment
Imposto de Renda
Imprensa
Improbidade Administrativa
Infância e Juventude
Inquilinato
Jogos de Azar
Juizados Especiais Federais
Lei Seca
Licitações Públicas
Marcas e Patentes
Nepotismo
Novo Código Civil
Pensão Alimentícia
Previdência e Aposentadoria
Reforma & Controle Externo do Judiciário
Reforma Agrária & MST
Reforma Política
Súmula Vinculante
Terrorismo
Trabalho Escravo
Transparência
União Estável
PESQUISA
DIGITE A PALAVRA:


ESCOLHA EM QUE CAMPO PESQUISAR:


Todas as palavras
Expressão exata

Publicidade  Anuncie aqui

CASOS
Arruda & Cia
Atos Secretos
Avestruz Master
Biografias não autorizadas
Bolão da Mega-Sena
Casamento Gay
Copa 2014
Demóstenes & Cachoeira
Eleições 2002
Eleições 2006
Eleições 2010
Eleições 2012
Eleições 2014
Facebook
Ficha Limpa
FIFA
Incêndio em Santa Maria
Lei Antifumo
Mensalão
Metrô SP
Novo Código Florestal
Novo Código Penal
Olimpíadas 2016
Operação Hurricane
Operação Lava Jato
Operação Navalha
Orkut
Petrobras
Portabilidade
Redução da Maioridade Penal
Reforma Política
Renovação de Cadastro Bancário
Sanguessugas
Sean Goldman
TelexFree
Twitter
VARIG
Von Richthofen
Vôo GOL 1907
YouTube
 
Site pessoal de:  MATEUS MATOS
Editoria:  MATEUS MATOS
Sistema desenvolvido por:   MATEUS MATOS

Parceria? Anunciar? Política de Privacidade Copyright 1996 - 2015 O Direito © Todos os direitos reservados a Mateus Matos. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Exceto o conteúdo publicado pelos Membros, já que estes têm responsabilidade pelas suas publicações bem como autoridade para permitir ou não a sua publicação

Ano 19 - De junho/2015     13.0.02 12/04/2012