Adicionar RSS




Há    visitantes  além dos   membros online no site neste momento booked.net booked.net booked.net

Capa Artigos Concursos & Seleções Debates Decisões & Notícias Dicionários Eventos & Cursos Legislação Livros: avaliações Opiniões Provas & Respostas Sites Teses & Pesquisas Visitas



   Adicionar RSS de Decisões & Notícias

Decisões & Notícias

 
FILTROS
Direito de Família
TJMG reconhece a mulher direito de assinar nome de solteira
|Divórcio & Separação



Publicado em 26/01/2018

        BELO HORIZONTE, MG - O Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) reconheceu o direito de uma mulher voltar a assinar o nome de solteira, mesmo sem que ela não tenha requerido, na homologação de divórcio, a exclusão do sobrenome do ex-marido. O entendimento que predominou na 5ª Câmara Cível do TJMG, que julgou recurso do processo, foi o de que se deve oportunizar que futuramente o ex-cônjuge possa requerer essa alteração, caso isso não tenha sido feito no momento da separação.

       

       O ex-casal apresentou à Justiça ação de retificação de registro civil pedindo a alteração, para que a autora voltasse a utilizar o nome de solteira. Ela disse que o casamento foi realizado em 14 de fevereiro de 2013, quando adotou o sobrenome do então marido. Contudo, quando da dissolução do vínculo conjugal, no acordo de divórcio objeto de homologação, nada se estabeleceu acerca da modificação do nome dela, no sentido de excluir o sobrenome contraído com o matrimônio.

       

       Em Primeira Instância, a 4ª Vara Cível da Comarca de Uberlândia negou o pedido. Mas o casal recorreu, sustentando não mais existirem os laços afetivos que justificaram a realização do casamento, não cabendo mais à mulher, dessa maneira, sustentar o nome de casada, quando não o desejava. Os ex-cônjuges destacaram que o pedido não traria nenhum prejuízo à sociedade.

       

       Segurança jurídica

        Ao analisar os autos, a relatora do processo, juíza convocada Lílian Maciel Santos, observou que a Lei de Registros Públicos admite a alteração do nome civil, "por meio de exceção e motivadamente", desde que não leve à perda de personalidade, à impossibilidade de identificação da pessoa e nem prejudique terceiros". No caso, ela avaliou que o pedido do casal estava motivado, "não se podendo obrigar a parte a utilizar o sobrenome do ex-marido, ante uma omissão do acordo de divórcio consensual".

        Entre outros pontos, a magistrada observou que "a imutabilidade é uma das características essenciais do nome, genericamente referido, uma vez que se trata de registro de identificação das pessoas que interessa não apenas ao identificado. Além disso, possui função pública e social, tratando-se, inclusive, de elemento que atende ao princípio da segurança jurídica". No caso, como não se vislumbrava"qualquer mácula à identificação da pessoa, à sua ascendência e, tampouco, risco de fraude", avaliou que não seria razoável negar o pedido.

       

       Ao modificar a sentença, determinando que se proceda à averbação, na certidão de casamento, da retificação do nome da mulher, para que ela volte a assinar o nome de solteira, a magistrada ressaltou: "O ex-cônjuge pode ter interesse em estabelecer novos vínculos afetivos, devendo estar livre das amarras que o sobrenome do outro cônjuge pode lhe impor".

        Os desembargadores Moacyr Lobato e Áurea Brasil votaram de acordo com a relatora.

Fonte:   TJ-MG - Tribunal de Justiça de Minas Gerais

Revisão: Mateus Matos

Leia mais sobre o mesmo tema: Divórcio & Separação
» Justiça brasileira define partilha de dinheiro depositado no exterior em caso de divórcio -24/11/2016
» Guarda compartilhada de menor é negada em caso de desentendimento dos pais -14/07/2016
» Guarda compartilhada de filhos está sujeita também a fatores geográficos -07/07/2016
» Falta de diálogo entre ex-cônjuges não inviabiliza guarda compartilhada -01/04/2016
» STJ considera legal divórcio feito sem audiência de conciliação -16/03/2016
» Direito de convivência familiar não se sobrepõe ao interesse maior de criança e jovem -09/12/2015
» É possível doação total dos bens quando o doador tiver fonte de renda periódica para sua subsistência -30/11/2015
» Revelia na ação de divórcio não autoriza exclusão de sobrenome de casada -16/06/2015
» Seção uniformiza entendimento sobre sucessão em regime de comunhão parcial de bens -26/05/2015
Leia mais sobre a mesma matéria: Direito de Família
» Guarda unilateral não impede ampliação do direito de visitas em prol da criança -16/09/2017
» STJ equipara Casamento a União Estável em caso de herança -23/08/2017
» Homem preso apesar de ter pagado pensão alimentícia é indenizado -03/03/2017
» Ministro do STJ determina retorno de criança à família substituta -30/01/2017
» STF decide que pais biológicos e afetivos têm as mesmas obrigações com filhos -21/09/2016
» Justiça determina que tio pague pensão alimentícia a sobrinho -06/09/2016
» STJ conclui que guarda de menor não deve ser confundida com a adoção -01/09/2016
» Neto não pode propor ação de paternidade contra suposto avô em nome da mãe falecida -16/08/2016
» STJ determina pagamento de pensão militar a filha de criação -09/08/2016
324 visitantes leram este conteúdo até o momento


    Nenhum comentário a respeito, até o momento.






Deixe sua opinião:
Por favor, desligue o CAPS-LOCK.



PESQUISA
DIGITE A PALAVRA:


ESCOLHA EM QUE CAMPO PESQUISAR:


Todas as palavras
Expressão exata