Adicionar RSS




Há    visitantes  além dos   membros online no site neste momento booked.net booked.net booked.net

Capa Artigos Concursos & Seleções Debates Decisões & Notícias Dicionários Eventos & Cursos Legislação Livros: avaliações Opiniões Provas & Respostas Sites Teses & Pesquisas Visitas



   Adicionar RSS de Artigos

Artigos

Publique seu Artigo
clicando aqui
 
FILTROS
Direito de Família
União Estável: Evolução Legal


Publicado desde 25/01/2010
Mary  Mansoldo 

        Foi publicada, em 15/01, a lei nº 12.195, de 14 de janeiro de 2010, que altera o Código de Processo Civil para assegurar ao companheiro (a) sobrevivente o direito a figurar como inventariante na hipótese de falecimento daquele com quem mantinha união estável, conferindo-lhe assim, tratamento idêntico ao antes positivado somente em relação ao cônjuge supérstite. Tal alteração começa a vigorar a partir de fevereiro. O novo mandamento jurídico altera os incisos I e II do artigo 990 da Lei 5.896, que passa a vigorar da seguinte forma:

       Art. 990. . . . . . . . . . . . . . .  I - o cônjuge ou companheiro sobrevivente, desde que estivesse convivendo com o outro ao tempo da morte deste;  II - o herdeiro que se achar na posse e administração do espólio, se não houver cônjuge ou companheiro sobrevivente ou estes não puderem ser nomeados;

       A alteração no artigo 990 do Código de Processo Civil formalizou o entendimento já adotado por juízes e tribunais brasileiros, pode-se dizer que a lei apenas corrigiu uma falha que as outras alterações do CPC não o fizeram.

       A legislação brasileira previa que o companheiro (a) somente poderia ser o síndico de um inventário após sentença transitada em julgado, assim, sendo necessária a comprovação da existência da união estável, porém, neste trâmite os direitos do companheiro (a) sobrevivente eram lesados.

       Sendo a união estável uma das formas de constituição familiar, a situação anterior imposta ao companheiro sobrevivente, apresentava-se incoerente e inoportuna, ocasionando injustiça e sérios prejuízos àquele que construiu uma vida emocional e financeira ao lado do falecido. Assim, a partir de fevereiro o tratamento aos companheiros será igual aos dos que forem cônjuges.

       Alguns doutrinadores defendem a idéia de que a equiparação entre cônjuge e companheiro poderá atrapalhar as pessoas, pois, nem sempre, quem vive em união estável, tem a intenção de compartilhar bens. Ainda, na defesa desta hipótese, alegam que são institutos diferentes e que não devem ser tratados de maneira igual. Porém, apesar destas defesas o que se percebe a uma evolução legislativa para a equiparação de tais institutos.

       Importante salientar, inicialmente, que o legislativo, ao reconhecer a união estável, ponderou como componente básico para qualquer união entre um homem e uma mulher, o amor, o sentimento que une os casais. Porém, apesar do reconhecimento que retirou a união estável do terreno da marginalidade, notava-se, ainda, uma desconsideração do companheiro (a) em alguns aspectos.

       Sobre o tema vale uma breve explanação sobre este avanço legal. Este processo evolutivo se iniciou no desejo da própria sociedade e, posteriormente, fortaleceu-se na jurisprudência e na lei.  Com a edição da Constituição Federal de 1988, surgiu um novo conceito de família, considerando-se entidade familiar, protegida pelo Estado, a união estável, conforme artigo 226, § 3º, CF/88, in verbis:

       Para efeito da proteção do Estado, é reconhecida a união estável entre o homem e a mulher como entidade familiar, devendo a lei facilitar sua conversão em casamento.

       Como a Constituição Federal é uma norma programática, fez-se necessária a edição de leis infraconstitucionais para regulamentar os direitos dos companheiros. Em dezembro de 1994, surgiu no âmbito jurídico a Lei n.º 8.971, que regulou o direito dos companheiros a alimentos e à sucessão.

       Em 10 de maio de 1996, foi editada a Lei n.º 9.278, que regulou o parágrafo 3º do art. 226 da Constituição e trouxe um conceito de união estável em seu artigo 1º:

       Art. 1º É reconhecida como entidade familiar a convivência duradoura, pública e contínua, de um homem e uma mulher, estabelecida com objetivo de constituição de família.   E, ainda, determinando que bens móveis e imóveis adquiridos durante a união estável são considerados fruto do trabalho comum, conforme art. 5º, in verbis:

       Art. 5° Os bens móveis e imóveis adquiridos por um ou por ambos os conviventes, na constância da união estável e a título oneroso, são considerados fruto do trabalho e da colaboração comum, passando a pertencer a ambos, em condomínio e em partes iguais, salvo estipulação contrária em contrato escrito.

       O código civil de 2002, por sua vez, em seu art. 1.723, repetiu o art. 1° da lei 9.278 de 1996.  Observa-se que o legislador desejou proteger as uniões que se apresentam com os elementos norteadores do casamento, tanto que a constituição determina que o legislador ordinário facilite a conversão da união estável em casamento. Assim, o objetivo de constituição de família é corolário de todos os elementos legais antecedentes.

       O Supremo Tribunal Federal já editou súmulas que representaram, também, evoluções nos direitos dos conviventes. Bem como, surgiram várias manifestações de Tribunais sobre o direito da companheira (o) a pensão previdenciária por morte do companheiro.

       Percebe-se que, as interpretações legislativas levam, cada vez mais, a equiparação dos institutos do casamento e da união estável. Importante a lembrança de que o Direito se destina a disciplinar as relações humanas, satisfazendo as necessidades existentes.

       Em suma, o que ocorre, na realidade, é uma adequação a realidade vivida, ou seja, a legislação pátria deve acompanhar a evolução da sociedade a qual se destina. Somente, desta forma, há que se falar na eficiência da lei.

       Certamente, o legislador deve estar sempre atento aos novos comportamentos, as mudanças de conceitos e paradigmas da população. Como exemplo, pode-se citar o crescimento dos números de ações que visam o reconhecimento das uniões homoafetivas, estas que não possuem o reconhecimento legal, porém, nas jurisprudências já se observam decisões que deferem tais pedidos. Assim, um novo conceito de constituição familiar, vivido por várias pessoas, já se encontra rodeando e clamando mais uma nova evolução legislativa para o direito de família.  

Este conteúdo foi redigido e finalizado em 10/01/2010, segundo o seu autor e respons?vel.
Representa, ?nica e exclusivamente, a opini?o particular do pr?prio autor. Ele ? o ?nico respons?vel pelas informações acima dispostas e publicadas, an?lises e cr?ticas assumidas, informações pesquisadas, inclu?das e citações realizadas.


Mary   Mansoldo 
Membro desde janeiro de 2010
Advogada. Graduada pelo Curso de Direito da Universidade Unifenas. Pós-graduada em Processo Civil pela Universidade Gama Filho. Pós-graduanda em Ciências Penais pela PUC/MINAS. Mestranda em Direito Processual pela PUC/MINAS. Membro da Comissão de Direito Eleitoral da OAB/MG. Coordenadora dos trabalhos da Ouvidoria Eleitoral da OAB/MG. Integrante da equipe do Escritório Junqueira Sampaio Advogados. *
* segundo o pr?prio membro em 21 de janeiro de 2010


Leia mais artigos do mesmo autor(a): Mary Mansoldo
» Entendendo os Alimentos Gravídicos. -03/03/2011
» Novos Conceitos Matrimonias. Evolução da Legislação Brasileira. -24/01/2010
» União Homoafetiva E Os Planos De Saúde. -22/01/2010 23:58:54
Leia mais artigos sobre a mesma matéria: Direito de Família
» Entendendo os Alimentos Gravídicos. -03/03/2011
» Novos Conceitos Matrimonias. Evolução da Legislação Brasileira. -24/01/2010
» União Homoafetiva E Os Planos De Saúde. -22/01/2010 23:58:54
» Juiz reconhece falta de Condições Psicológicas de Pais Adotivos que assassinaram criança com chutes -12/01/2008 20:23:57
» Os princípios do Direito de Família na Constituição Federal de 88 e a importância aplicada do afeto -10/03/2007 14:30:59
» Princípios do Direito de Família na Constituição Federal de 1988 e a Importância aplicada do afeto -05/03/2007 21:25:25
» A Irrevogabilidade da Adoção -26/11/2006 17:29:21
» Considerações Gerais Sobre a Adoção -26/11/2006 17:21:47
» Adoção -11/11/2006 16:17:51
1844 visitantes leram este conteúdo até o momento


    Nenhum comentário a respeito, até o momento.






Deixe sua opinião:
Por favor, desligue o CAPS-LOCK.



PESQUISA
DIGITE A PALAVRA:


ESCOLHA EM QUE CAMPO PESQUISAR:

Todas as palavras
Expressão exata


ATUALIDADES
Breves apontamentos sobre a Homofobia
por Camila Andrade
Este artigo traz breves apontamentos acerca da temática da homofobia, inserindo-a na visão reacionária que é inerente ao fundamentalismo religioso, o ...
DIREITO CONSTITUCIONAL
A PRF não é Polícia
por Aristides Medeiros
A chamada “Polícia Rodoviária Federal” (rectius: Patrulha) – prevista no inc. II do art. 144, caput, da Constituição Federal, - não é Policia na acep...
DIREITO PENAL
Sobre o chamado "princípio da insignificância"
por Aristides Medeiros
O chamado "princípio da insignificância" constitui "de lege ferenda"...
DIREITO E SAÚDE
Médicos: Receitas com caligrafia ilegível
por Aristides Medeiros
É obrigação do médico expedir as receitas com caligrafia legível...
DIREITO CONSTITUCIONAL
Breves considerações sobre o Direito de Recusa a fazer prova contra si mesmo
por Aristides Medeiros
O direito de fazer prova contra si mesmo não é absoluto...
DIREITO TRIBUTÁRIO
Responsabilidade Tributária Do Sócio De Sociedade Empresária Limitada
por Jéssica Martini
este artigo tem por objetivo discorrer sobre os limites que o Fisco deve respeitar para que possa responsabilizar o sócio integrante de uma sociedade...
DIREITO CIVIL
Direito De Família E Alienação Parental
por Gisele Leite
A recente lei que trata sobre alienação parental dentro do cenário do direito de família contemporâneo....
DIREITO PROCESSUAL PENAL
Execução da Reparação Civil fundada em sentença condenatória pelo próprio Juízo Criminal
por Vinicius Conrado
Reflexão sobre a adoção do sincretismo processual pelo Juízo Criminal de execução de reparação civil em virtude de sentença condenatória....
FILOSOFIA
Natureza Humana, Livre-arbítrio E Mundo Contemporâneo
por Gisele Leite
Entender a filosofia e lógica de Nietzsche é tão desafiador como decifrar o mundo contemporâneo. O texto tenta apenas didaticamente expor a evolução d...
DIREITO PREVIDENCIÁRIO
Mudanças na Aposentadoria. Projeto de Lei 3299/2008.
por Leandro De Almeida
Artigo sobre as principais mudanças no cálculo das Aposentadorias que estão sendo discutidas no Congresso Nacional....